Educação

Projetos do escritório de Harvard em São Paulo

Aberta em 2006, a representação promove cursos em parcerias com universidades de prestígio da capital

Por: Júlia Gouveia

victor domene 2369
O jovem paulistano Victor Domene: aprovado em Harvard, Princeton, Yale, Columbia e Duke (Foto: Lucas Lima)

Com apenas 17 anos, o paulistano Victor Domene está prestes a tomar uma decisão que mudará sua vida. No fim de março, o jovem recebeu a notícia de que havia sido aceito, com direito a bolsa integral de estudo, no pelotão de elite do ensino universitário americano. Precisa escolher agora qual instituição vai frequentar: Harvard, Princeton, Yale, Duke ou Columbia. Na quarta passada (9), ele embarcou rumo aos Estados Unidos para conhecer os câmpus e optar por aquele no qual cursará a faculdade de ciência da computação. “Sempre achei que essa possibilidade fosse algo bem distante”, afirma.

+ Food trucks movimentam as ruas de São Paulo

Em 2012, ainda no ensino médio, ele participou de um dos programas promovidos pelo escritório de Harvard em São Paulo, em que alunos estrangeiros dão uma espécie de monitoria a estudantes brasileiros, para explicar como são o dia a dia e a vida na universidade americana.“Foi graças a essa experiência que percebi que meu sonho poderia se transformar em realidade”, relata. Aluno-prodígio, o garoto, que é ex-bolsista do Colégio Bandeirantes e cursou parte da vida estudantil na rede pública, contou com a ajuda dos “mentores” no processo de application, como é chamada a candidatura aos cursos, e também na desmitificaçãode alguns estereótipos. “Vi que não tem só nerd por lá”, brinca.

jason dyett 2369
O executivo Jason Dyett, à frente do escritório de Harvard em São Paulo: parcerias com a USP (Foto: Fernando Moraes)

Atualmente apenas 81 brasileiros estudamem tempo integral em Harvard. Trata-se de um número tímido, mas corresponde a um crescimento de 32% desde que a representação paulistana foi aberta,em 2006. Além do rigoroso processo de seleção existente, o custo de um ano de estudos por lá não sai por menos de 60 000 dólares. A história de Victor Domene é um dos cases mais recentes de sucesso do escritório de Harvard na capital. Localizado no 17º andar de um prédio comercial da Avenida Paulista, o lugar, além de servir de ponto de apoio para membros da instituição que estejam vindo para o Brasil ou indo para os EstadosUnidos, promove iniciativas que estimulem o intercâmbio de conhecimento entre os dois países. “Não estamos aqui para caçar talentos, mas, sim, para estimulá-los”, explica Jason Dyett, diretorda unidade. “Nossa missão é facilitar o contato entre nossos alunos e professores com pesquisadores daqui que atuem nos mesmos campos de interesse”, resume. Ao longo de oito anos já passaram pelo local mais de 500 pessoas.

+ A era da escola inteligente

Para pôr essa teoria em prática, o escritório, em parceria com centros de ensino de prestígio paulistanos, como a Poli-USP e as faculdades de medicina da USP e da Santa Casa, vem desenvolvendo alguns cursos de imersão em áreas como saúde pública, engenharia ambiental e planejamento urbano. De uma a duas vezes por ano, quinze estrangeiros vêm ao país e ficam por aqui por um mês aproximadamente para estudar com quinze universitários brasileiros questões que vão desde doenças infecciosas até o problemada poluição do ar em grandes cidades. “Esses encontros favorecem parcerias de longo prazo”, afirma Monica Porto, professora da Poli e responsável pelo programa da instituição.

timothy linden 2369
O americano Timothy Linden: aulas de inglês na periferia de São Paulo (Foto: Fernando Moraes)

No caso do americano Timothy Linden, de 24 anos, a experiência deu tão certo que ele decidiu se mudar para o Brasil após a graduação. Apaixonado pela língua portuguesa e por futebol, Linden participou do programa em 2010, quando fez estágio em uma escola estadual no bairro de Cidade Ademar. Ali montou um curso de inglês para os estudantes de 13 a 16 anos. “Eles adoravam o Justin Bieber, então usava suas músicas nas aulas”, lembra. Após a empreitada, escreveu sua tese de conclusão de curso sobre as desigualdades no ensino de língua estrangeira no país. Já na pós-graduação, ele retornou a São Paulo em 2012 para trabalhar com projetos voltados à educação na infânciano escritório de Harvard.

Escritório de Harvard em São Paulo: Avenida Paulista, 1337, conjunto 171, Bela Vista, 3549-9590.

OS CURSOS PROMOVIDOS PELO ESCRITÓRIO

Mentoring and Language Acquisition in Brazil

› Alunos de Harvard tornam-semonitores virtuais de estudantes brasileiros do ensino médio. Inclui uma viagem a São Paulo para os participantes se conhecerem.

Collaborative Public Health Field Course in Brazil

› Em parceria com a Faculdadede Medicina da USP e da Santa Casa, o curso de imersão foca a questão da saúde pública.

Harvard’s Seas/Poli-USPCollaborative Field Course

› Os grupos de universitários estrangeiros e brasileiros estudam questões relacionadas a engenharia ambiental e planejamento urbano.

ALGUNS DOS REQUISITOS PARA SE CANDIDATAR

Ter um curso de Harvard no currículo é o objeto de desejo de muitos profissionais. Apesar da iniciativa do escritório brasileiro, os cursos oferecidos ainda são restritos aos alunos das instituições parceiras e com poucas vagas disponíveis. No Brasil, os principais colaboradores são a Poli-USP, Faculdade de Medicina da USP, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, Fundação Lemann, Fundação Estudar e ISmart. Pelo site da representação é possível se informar sobre processos de seleção e as datas dos próximos programas. Abaixo algumas informações adicionais:

Como funciona o processo de seleção para os cursos promovidos pelo curso? De maneira geral, o processo de seleção envolve o preenchimento de um formulário de inscrição com dados pessoais, currículo profissional e acadêmico, resumo escolar, contatos que possam fornecer referências sobre o aluno e uma declaração explicando o motivo do interesse em participar do programa. É feita uma pré-seleção para as entrevistas finais, onde são escolhidos os participantes.

Quais os requisitos básicos para participar dos programas? Os requisitos estão relacionados a aspectos acadêmicos. Por exemplo, para participar do programa de Mentoria com alunos de Harvard é preciso estar no primeiro ou segundo ano do ensino médio. Para programas voltados a alunos de graduação, é comum abrir os cursos para alunos a partir do segundo ano. O inglês também é requisito na maioria dos cursos, em especial aqueles cujas palestras e atividades são ministradas nessa língua. O nível de fluência, entretanto, varia de acordo com o propósito do programa.

Como se candidatar? A rigor, basta preencher o formulário com as informações solicitadas. No entanto, é comum os próprios professores indicarem alunos que estejam aptos ou já tenham realizados trabalhos nas áreas abordadas pelos programas.

Com quanto tempo de antecedência devo me inscrever? As inscrições costumam ser abertas cerca de seis meses antes do início do curso. O link para inscrições fica no http://brazil.drclas.harvard.edu/pages/programs.

 SAIBA MAIS: HARVARD

harvard 2369
A Universidade de Harvard, em Cambridge, uma das mais prestigiadas do mundo (Foto: Divulgação)

Fundada em 1636, a Harvard University é uma das instituições de ensino superior mais respeitadas do mundo e também a mais antiga dos Estados Unidos. Pelos bancos da universidade já passaram alunos ilustres, entre eles, vários presidentes americanos (Barack Obama, John Kennedy e George W. Bush) e executivos, como Bill Gates e Mark Zuckerberg. Com cerca de 21 000 estudantes, Harvard é composta por onze faculdades principais, como a Harvard Business School e a Harvard Law School. A cada ano que passa, a instituição fica mais internacionalizada: hoje possui mais de 4400 estudantes estrangeiros – apenas 1,8% deste número são de brasileiros. China, Canadá e Coréia do Sul são os países que possuem o maior número de representantes nos campus. A universidade está localizada na pequena cidade de Cambridge, próxima a Boston, no estado de Massachusetts.

Fonte: VEJA SÃO PAULO