Passeios

Onze programas para se sentir na praia sem sair de São Paulo

Comer pescados, tomar sol e jogar vôlei de praia estão na lista

Por: Jennifer Detlinger - Atualizado em

sesc vila mariana
Solário do Sesc Vila Mariana: espaço para pegar um bronze (Foto: Lucas Lima)

O período de férias e os fins de semana em que o calor não dá trégua são a desculpa perfeita para descer a serra rumo ao litoral. Mas nem todos os paulistanos podem se dar ao luxo de relaxar com o pé na areia. Aos que ficam na capital, seja pelo tempo que anda curto ou pela conta bancária magra, reunimos onze programas para se sentir na praia sem sair de São Paulo. A lista contempla desde bares para se deliciar com petiscos do mar até endereços onde é possível estender a canga e se bronzear: 

 

1. Relaxar nas mesinhas espalhadas pela calçada do O Catarina

Embora tenha crescido um tanto desde a inauguração, o boteco continua com o mesmo espírito litorâneo. Pela calçada, o público relaxa nas mesinhas cobertas por toalhas de xita enquanto esvazia garrafas de cerveja (Original e Serramalte, R$ 11,00 cada uma). O cardápio da casa exibe uma série de petiscos com frutos do mar, a exemplo dos saborosos e crocantes pastéis de siri  (R$ 30,00, seis unidades).

 

2. Comer petiscos do mar no Jabuti

Com quase cinco décadas de existência, a casa integra a lista de clássicos da cidade que merecem reverência. Para bebericar, a caipirosca simples de limão (R$ 22,50) traz finas fatias da fruta. Na linha comestível, os pescados dominam o menu em porções como a lula ao vinagrete (R$ 47,00), repleta de cebola em pedaços e acompanhada de pães fresquinhos.

+ Saiba por que a Casa do Porco é o bar do momento

 

3. Saborear pescados frescos e sentar nas cadeiras de praia da Peixaria Bar e Venda

Peixaria Bar e Venda
Cavalinha na brasa: uma das opções de grelhado da Peixaria (Foto: Fernando Moraes)

O endereço divide suas mesas entre os salões com ar de vendinha e a calçada, onde se mesclam cadeiras de madeira e outras de praia. No maior clima litorâneo, as cervejas em garrafa (Heineken; R$ 11,50; e Amstel; R$ 9,80) são conservadas em isopores repletos de gelo picado. O balcão refrigerado logo na entrada, que exibe peixes à venda, faz jus ao nome do lugar: dá para escolher um peixe fresco na hora e saborear por lá mesmo. A pescada branca, por exemplo, custa R$ 62,00 o quilo e chega à mesa grelhada e guarnecida de salada de feijão-fradinho, farofa de banana-da-terra e molho de alcaparras e coentro por mais 40% do valor da peça escolhida. 

 

4. Comer um clássico Pastel do Trevo de Bertioga

A marca criada em 1988 na cidade litorânea de Bertioga faz o maior sucesso por lá. Na capital paulista, quatro unidades vendem os pastéis com 30 centímetros de comprimento e fritura crocante. No boi ralado (R$ 16,00), por exemplo, vão carne moída, palmito, tomate, ovo e azeitona. Na unidade de Santana os preços são mais baixos e há um rodízio a R$ 18,00 por pessoa.

+ Em 30 segundos, sommelier ensina como harmonizar vinho e hambúrguer

 

5. Beber uma água de coco ao ar livre no Pé no Parque

Pé no Parque
Pé no Parque, em Moema: para tomar água de coco ou um suco (Foto: Leo Feltran)

Já que não temos praia, uma boa alternativa são os parques: essa casa fica a apenas 500 metros do portão 7A do Parque Ibirapuera, localizado na Avenida Quarto Centenário. As mesinhas de madeira ao ar livre ficam apinhadas de gente à procura dos sucos caprichados do cardápio. Para repor as energias, cai bem o chamado estimulante (R$ 15,00), mistura de açaí, pó de guaraná, ginseng e gérmen de trigo. Também dá para pedir uma água de coco simples (R$ 6,50) ou a refrescante sugestão de uva verde ou roxa batida com água de coco, servida dentro da fruta (R$ 7,50).

+ As novidades no litoral para o verão

 

6. Se sentir no Guarujá com um prato do Rufino's

Rufino's Pescada-cambucu 2278
Pescada-cambucu do Rufino's: assada inteira com cebola, tomate, pimentão vermelho e batata (Foto: Mario Rodrigues)

Uma geladeira repleta de lindos frutos do mar dispostos na entrada do salão dá uma cara de litoral ao salão instalado em pleno Itaim. Do lado de dentro, a decoração e o serviço cortês à moda antiga da marca nascida no Guarujá atraem de reuniões de negócios a encontros românticos de casais na faixa dos 50 anos. Em porção individual, a tranche de badejo vem acompanhada de cebola, batata, tomate e aspargos tostados na medida (R$ 105,00). Dos vistosos peixes inteiros para dois, escolha entre a pescada ou o linguado grelhado com batata, vagem e alcaparra (R$ 174,00).

 

7. Tomar uma cervejinha no Pitico

Pitico
O contêiner e as cadeiras de praia do Pitico: antigo estacionamento (Foto: Ricardo D' Angelo)

O endereço ao ar livre se situa em um antigo estacionamento, que ganhou clima de pracinha com as cadeiras de praia distribuídas no espaço e muitas plantas. Do bar instalado em um contêiner, saem cervejas long neck, entre elas a Heineken e a Estrella Galicia (R$ 8,00 cada uma). Em outro compartimento, petiscos são preparados, caso do kebab de faláfel (R$ 18,00).

+ Padarias-butique se multiplicam na capital

 

8. Pedir um sorvete à moda antiga no Alaska

Alaska - Sorvete Gigante
O sorvete Gigante, da Alaska: um quilo e meio de gelado (Foto: Divulgação)

Esqueça os gelatos italianos e gourmet que tomaram conta das sorveterias paulistanas. Nesta casa aberta em 1910, o que prevalece é a tradição dos gelados simples com a massa mais compacta, nos mesmos moldes dos sorvetes vendidos nas casas do litoral. Distribuem-se por cubas metálicas opções como nozes, pistache, amendoim, melão, abacaxi e maracujá (R$ 10,00; dois sabores). Se o apetite for (muuuito) maior, encare o gigante alaska (R$ 90,00). Essa sobremesa em tamanho-família reúne quatro bolas de sorvete, duas cassatas, pêssegos em calda, chantili, biscoitos, coberturas e cerejas para enfeitar.

9. Comer um  saboroso pescado no Dalmo Bárbaro

Dalmo Bárbaro
A porção de lula ao vinagrete do Dalmo: restaurante subiu a serra no ano passado (Foto: Mario Rodrigues)

A casa de sucesso no Guarujá voltou pela segunda vez à capital. Instalada em um charmoso sobrado, atrai a clientela com os mesmos clássicos do restaurante, criados por Dalmo Bárbaro, no litoral. O mais conhecido deles é o scarpa especial, uma pescada-cambucu ao molho clássico de manteiga e alcaparra com batata ao açafrão (R$ 127,00 para dois). Para petiscar, vá de lula ao vinagrete (R$ 35,00, individual) e de ostras frescas de Cananeia (R$ 26,00 a porção com seis).

+ Quatro hotéis de luxo chegam à cidade

 

10. Tomar sol no Sesc Pompeia

Solário Sesc Pompeia
Deck do Sesc Pompeia: é só levar a cadeira ou a canga e pegar o espaço (Foto: Reprodução)

Para quem quiser pegar uma cor, o deck ocupa a área traseira do local e oferece chuveiros e cadeira. Bastar levar o protetor solar e se acomodar no espaço que fica aberto diariamente ao público em geral. O Sesc Vila Mariana também oferece um solário instalado no 9º andar do prédio. Mas, antes de estender a canga, é preciso matricular-se na unidade com RG, CPF e foto 3x4.

 

11. Jogar vôlei de praia no Sesc Belenzinho

Frescobol, beach tennis e vôlei de praia integram a lista de modalidades esportivas oferecidas na programação do Sesc Verão 2016. Na unidade do Belenzinho, por exemplo, será realizada uma atividade de vôlei de praia a partir deste sábado (9). Para participar, é preciso vestir roupas adequadas e ter no mínimo 15 anos. Quando: sábados e domingos de 09/01 a 28/02, das 12h às 15h30.

Fonte: VEJA SÃO PAULO