Passeios

Quinze programas para fazer neste domingo (2)

Shows, peças de teatro e atrações infantis estão entre as pedidas

Por: Veja São Paulo

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Confira abaixo uma lista de bons programas para curtir neste domingo (2 de novembro).

  • No palco, o ator Tiago Abravanel construiu um Tim Maia à imagem do cantor carioca com impressionante semelhança vocal. Agora, Robson Nunes e Babu Santana causam sensação na cinebiografia Tim Maia. O livro Vale Tudo, de Nelson Motta, que serviu de base para a peça, também é usado para o longa-metragem (bem longo, diga-se de passagem). Dirigido por Mauro Lima (Meu Nome Não É Johnny), o filme dura duas horas e vinte minutos e segue a ordem cronológica. Capta desde a infância de Tião (seu apelido), como entregador de marmitas, até sua morte, em 1998, aos 55 anos. Robson Nunes pega o papel ainda adolescente, quando Tim fundou, em 1957, o grupo The Sputniks, ao lado do então desconhecido Roberto Carlos. Nem mesmo as apresentações no programa de Carlos Imperial (Luis Lobianco) o levaram à fama. Sem chances de crescer no Brasil, Tim se mandou para os Estados Unidos e voltou de lá deportado pela participação no roubo de um carro. A partir de um contato com o cantor Fábio (o narrador da história e personagem que mistura vários amigos do músico), interpretado por Cauã Reymond, surgiu o lançamento na noite. Após diversas tentativas, Tim consegue reencontrar Roberto Carlos e, em 1969, o Rei grava uma música dele, Não Vou Ficar. O soul ganha as paradas, ele vira sucesso e vem junto o status de encrenqueiro e polêmico. Babu Santana entra nessa segunda fase e não economiza numa performance próxima à de um furacão. O roteiro tampouco tapa o sol com a peneira e investe num registro aberto. Enfoca a sua decadência, o mergulho nas drogas, torrando a grana em aventuras e ganhando um triste anonimato depois de gravar os lendários discos Tim Maia Racional — Volume 1 e 2. Há um certo probleminha de ritmo — o roteiro se estende demais na primeira parte e corre contra o tempo nos quinze minutos finais. Nada, contudo, capaz de desabonar esta visão da trajetória do Síndico, salpicada de canções marcantes, a exemplo de Azul da Cor do Mar e Sossego. Estreou em 30/10/2014.
    Saiba mais
  • Neste ano, o encerramento da Mostra Internacional de Cinema será realizado na plateia externa do Auditório Oscar Niemeyer, no Parque do Ibirapuera, com a projeção de dois filmes de Charles Chaplin: o curta-metragem Corridas de Automóveis para Meninos (1914) e o longa O Circo (1928). Na ocasião, a Orquestra Experimental de Repertório toca simultaneamente as trilhas sonoras das duas fitas. O conjunto repete o espetáculo no domingo (2), no Teatro Municipal, onde os filmes também serão exibidos. Quem rege a formação é Carlos Moreno. Dias 1º e 2/11/2014.
    Saiba mais
  • A cantora Bibi Ferreira apresenta o show 4X Bibi em comemoração dos 75 anos de sua carreira. Suas quatro faixas preferidas do repertório são: Nem às Paredes Confesso, de Amália Rodrigues Mano a Mano, de Carlos Gardel L'Accordéoniste, de Édith Piaf That's Life, de Frank Sinatra.
    Saiba mais
  • Eles ainda conservam seus atributos, embora muita gente por aí torça o nariz. A banda inglesa Echo & The Bunnymen, criada em 1978 e que esteve no seu auge na década de 80, volta à cidade depois de quatro anos. A voz de Ian McCulloch pode não segurar a potência dos tempos áureos, mas ele a mantém com toda a dignidade, como prova no recente álbum Live in London (2014). Além dele, o guitarrista Will Sargeant é o remanescente da formação original e também continua a ser o ótimo instrumentista que influenciou de Oasis a Coldplay. Ao lado de Gordy Goudie (guitarra), Stephen Brannan (baixo), Jez Wing (teclado) e Nick Kilroe (bateria), eles vêm à cidade pela sexta vez para divulgar Meteorites, lançado em junho. As novas Holy Moses e Constantinople dividem espaço com as indispensáveis The Killing Moon e Lips Like Sugar. Dia 2/11/2014.
    Saiba mais
  • Um dos melhores longas de 2014, teve seis indicações ao Oscar: melhor filme, direção, ator coadjuvante (Ethan Hawke), atriz coadjuvante (Patricia Arquette), roteiro original e montagem. Méritos para ganhar, ele tem. O principal está no formato da realização. Ao longo de doze anos, o diretor Richard Linklater rodou um drama familiar com os mesmos atores. Entre 2002 e 2013, reunia o enxuto elenco para apenas alguns dias de gravações. Patricia Arquette, uma mulher separada do marido (Ethan Hawke) e em busca de um novo parceiro, vive a mãe de Mason (Ellar Coltrane) e Samantha (Lorelei Linklater). Com mudanças delicadas e sutis, a trama tem um tempo que transcorre literalmente na tela. Quando criança, Mason demonstra a curiosidade de um sonhador. Dividido entre um padrasto repressor e um pai ausente, ele cresce aos olhos do espectador e vivencia os sentimentos típicos da adolescência. Torna-se adulto recolhendo os cacos deixados pelo caminho. Estreou em 30/10/2014.
    Saiba mais
  • Antes de projetar alguns dos prédios mais famosos de São Paulo, entre eles o Masp e o Sesc Pompeia, a arquiteta italiana Lina Bo Bardi (1914-1992) foi responsável por introduzir linhas modernas nos móveis das casas paulistanas. Ao lado do conterrâneo Giancarlo Palanti, fundou em 1948 o Studio Palma, que durou três anos e de onde saíram poltronas, escrivaninhas e cadeiras com elementos bem brasileiros, como redes indígenas e couro nordestino. Lina Bo Bardi Designer: o Mobiliário dos Tempos Pioneiros reúne alguns desses objetos — sobreviventes das pequenas edições que não chegavam a duas dezenas de unidades produzidas. Na mostra estão os móveis desenhados para a Casa de Vidro, além de baús e armários antigos trazidos da Europa, fotografias e projetos. Entre as peças, há o protótipo da Cadeira Bowl (1951), sua criação mais famosa, inspirada nas tigelas utilizadas por caiçaras. O primeiro estudo foi feito de vime, até que se chegou ao modelo final, com estofado e estrutura de alumínio. De 18/10/2014. Até 7/12/2014. Marco arquitetônico: outro atrativo da exposição é a oportunidade de conhecer ou revisitar a bela Casa de Vidro, onde o casal Pietro e Lina Bo Bardi viveu por 41 anos.
    Saiba mais
  • A retrospectiva do artista espanhol tem tudo para se tornar a nova mostra mais badalada da cidade. No fim de semana de estreia, muita gente que chegou por volta do meio-dia ao Instituto Tomie Ohtake só conseguiu entrar às 17h. Mas sem grandes dramas. A organização do evento criou um sistema de senhas para evitar que as pessoas fiquem amargando de pé na fila, como aconteceu na exposição da japonesa Yayoi Kusama. Elas são distribuídas a partir das 10 da manhã para três horários: 11h, 14h e 17h. Vale, sim, a pena se organizar para ver as 218 peças exibidas. Elas apresentam um Dalí minucioso (chegou a pintar com pincéis de duas cerdas e auxílio de uma lupa) e sóbrio, que passou pelo cubismo e pelo impressionismo antes de se encontrar no surrealismo. Entre as 24 telas há preciosidades como A Memória da Mulher-Menina, uma das primeiras no estilo, na qual se nota o árido e aflitivo mundo dos sonhos do artista. A abrangência dos trabalhos surge em belas gravuras pouco conhecidas que ilustram livros como Alice no País das Maravilhas ou fazem releituras impossíveis de desenhos botânicos do século XVIII. Infelizmente, pouco espaço foi dedicado ao seu lado marqueteiro, tão criticado quanto divertido. A Sala Mae West reproduz uma instalação inspirada na atriz americana e rende boas selfies, porque cria a ilusão de “entrar” na obra. Para ela, há uma fila à parte de, pelo menos, quarenta minutos. De 19/10/2014. Até 11/1/2015.  + Exposição Salvador Dalí irá distribuir senhas para evitar filas + Veja como será a exposição Salvador Dalí no Tomie Ohtake
    Saiba mais
  • Sempre unidos, Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali, Chico Bento e Jeremias estão desapontados por não poderem passear juntos durante as férias da escola. Os amigos pensam um pouco e decidem contornar o  problema de forma criativa: eles resolvem viajar por meio da imaginação. Com direção de Mauro Sousa, o espetáculo Mônica Mundi — Uma Volta ao Mundo com a Turma da Mônica traz um gigante sofá azul, que se transforma em um avião de mentirinha e conduz o grupo a países como Portugal, Itália e Japão. Ao som de doze músicas, os personagens de Mauricio de Sousa apresentam as características de várias culturas. Comilona, Magali não se esquece da pizza quando chega à Itália. Na passagem pelos Estados Unidos, uma réplica da Estátua da Liberdade aparece no fundo do palco e, ainda por lá, os letreiros da Broadway  iluminam bailarinos numa coreografia no estilo dos musicais americanos. As cenas de dança são sempre embaladas pelos ritmos tradicionais de cada lugar e a garotada se anima e embarca na história. No fim do espetáculo, a turminha mostra as tradições do Brasil e encerra a montagem ao som de samba. O caprichado cenário leva a assinatura de Paulo Corrêa. O elenco é formado por Altieres Coelho, Bárbara Baiocchi, Duda Oliveira, Erick Gimenes, Júlio Romero, Gabriela Suaiden, Renato Peixoto e Viviane Doné. Estreou em 27/1/2012. Até 18/10/2015.
    Saiba mais
  • Levado ao palco pela Companhia de Danças de Diadema, o singelo espetáculo A Mão do Meio apresenta a história de uma mão com dois polegares que sai à procura de gestos para colecionar (o único que ela conhece é o cumprimento de bom dia). Para introduzir cada número da montagem, um narrador (papel de Roberto Mainieri) usa expressões do cotidiano, como “pé na estrada”, “me dá uma mãozinha” e “cabeça de vento”. A partir daí, os nove bailarinos do grupo encantam ao dar vida às partes do corpo humano em uma ambientação que funciona muito bem com o recurso da luz negra. A criançada se diverte particularmente com a exibição dos pés capazes de bater palmas e no momento em que conhecem a dura vida de um traseiro que nasceu quadrado. Outro ponto alto ocorre quando são mostradas as gargalhadas — é quase impossível não se contagiar por elas. Até os adultos embarcam na disputa de risadas. Aparecem ainda narrativas sobre o braço, a cabeça e o sopro. Apresentada em forma de colagem, a trilha sonora mescla faixas que vão do clássico ao eletrônico. Ana Bottosso dirige o espetáculo com texto de Michael Bugdahn. A coreografa foi criada por Bugdahn e Denise Namura. Estreou em 25/10/2014. Até 15/11/2014.
    Saiba mais
  • Feiras gastronômicas

    Vila Butantan

    Rua Agostinho Cantu, 47, Butantã

    Tel: (11) 5648 731

    VejaSP
    5 avaliações

    As vans de comida ainda estão lá, mas a Vila Butantan já não é mais um simples food park. Contêineres agora formam um shopping a céu aberto com lojas de roupa e design. Na parte gastronômica, encontra-se, entre outras iniciativas, um ponto fixo do Los Mendozitos, antes uma casa de vinhos apenas itinerante. Também aportaram por lá uma unidade da hamburgueria Vinil e outra do restaurante árabe Saj.

    Saiba mais
  • Com curadoria de Caio Sá, o festival reúne food trucks aos domingos, das 12h às 18h. A entrada é franca e os valores variam entre R$ 8,00 e R$ 30,00. + Testamos as feirinhas gastronômicas e os food trucks de São Paulo Confira abaixo os participantes deste domingo (5): Bolla Burger Ô Burguer Gourmex Taqueria  Paellas e Tapas Pitela Food Brito BBQ Arretado Food Jo's Falafel Nakasone Los Cevicheiros Cevicheria Ste Comiveis e Bebiveis Bertoni Buffet  a Domicilio Vintage Marmitaria Gourmet Caramapple Divino Brownie Cake in Glass Me Gusta Picolés Sunrise
    Saiba mais
  • Em sua 28ª edição, o evento apresenta 500 veículos de 41 marcas. O visitante tem a chance de apreciar de pertinho o Rolls-Royce Ghost e a Lamborghini Huracán, entre outras máquinas. Haverá um sorteio que dá direito a um passeio de Ferrari, além de test-drives em alguns carros. Os organizadores esperam receber cerca de 750 000 visitantes. De 30/10/2014. Até 09/11/2014.
    Saiba mais
  • A intimidade dos artistas plásticos mexicanos Frida Kahlo (1907-1954) e Diego Rivera (1886-1957) é desvendada em Frida y Diego. Interpretado por Leona Cavalli e José Rubens Chachá, o texto construído por Maria Adelaide Amaral mostra, em meio a uma intensa paixão, brigas, traições, submissões e até uma troca artística. Sob a direção de Eduardo Figueiredo, a montagem oferece bons momentos para os protagonistas, principalmente nas cenas em que sublinha a insegurança e a fragilidade física da mulher diante do marido egocêntrico anos. Estreou em 11/10/2014. Até 31/01/2016.
    Saiba mais
  • Bastante populares, os filmes de catástrofe têm ingredientes básicos: drama, apelo emotivo e muita tensão. Por limitações naturais, o teatro esbarra em dificuldades para abranger esse conjunto de aspectos ao flertar com o gênero. Diante disso, o espetáculo Tragédia: uma Tragédia, escrito pelo americano Will Eno, assume ares de comédia dramática ao narrar um fato inusitado. Uma equipe de jornalistas participa de uma cobertura televisiva. No meio da tarde, o sol foi embora e se iniciou uma noite sem fim. Os atores Amanda Lyra, Carolina Bianchi e Rodrigo Bolzan surgem em monólogos na intenção de simular boletins endereçados ao âncora do telejornal (papel de Ranieri Gonzalez). Aos poucos, a vida pessoal de cada repórter se mistura com as notícias, e, nesse momento, a montagem dirigida por Carolina Mendonça dá um salto de interesse. Tanto o elenco ganha oportunidade de testar diferentes registros de interpretação como a mensagem deixa de ser apenas um panfleto para abrir espaço a um  questionamento amplo sobre a sociedade. Estreou em 2/10/2014. Até 9/11/2014.
    Saiba mais
  • Em 2012, a atriz Marília Pêra mais uma vez exercitou a veia de cantora no espetáculo Herivelto Como Conheci. O recital dramático dirigido por Claudio Botelho finalmente chega a São Paulo para apenas três sessões no Theatro Net. Acompanhada por Thiago Trajano (violão e bandolim) e Marcio Castro (piano e acordeão), Marília interpreta dezenove composições de Herivelto Martins (1912-1992) em meio à dramaturgia criada por Botelho com base no livro homônimo de Cacau Hygino e Yaçanã Martins. Entre músicas como Camisola do Dia, Atiraste uma Pedra e Ave Maria no Morro, a atriz revive passagens da biografia de Herivelto, principalmente a partir do início do seu relacionamento com a comissária de bordo Lurdes Torelly (1927-1990). Os dois se conheceram quando ele ainda era casado com a cantora Dalva de Oliveira (1917-1972), viveram juntos por 44 anos e são pais da atriz Yaçanã Martins. Dias 31/10, 1º e 2/11/2014.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO