Comportamento

Programa canguru: atividades para mães com bebês recém-nascidos

Elas têm aula de dança, ioga e até vão ao cinema com os filhos presos ao corpo

Por: Giuliana Bergamo

Baby yoga - COMPORTAMENTO - 2229
Baby yoga: posturas da ioga tradicional com o bebê nos braços (Foto: Mario Rodrigues)

Atire a primeira fralda a mãe que nunca teve inveja do canguru-fêmea. Ao contrário das mães humanas, a marsupial pode se dar ao luxo de saltitar livremente por aí sem a culpa de deixar o rebento para trás. O filhotinho vai junto, aconchegado naquela bolsinha para lá de prática. Como a natureza não deu um jeito nisso, um grupo de mulheres com bebês recém-nascidos resolveu encontrar maneiras de passear com suas crias.

+ Berçários de primeira classe

+ Mulheres recebem treinamento para ser mãe

Nada a ver com teatrinhos ou atividades infantis. A diversão é adulta, mas os pimpolhos são bem-vindos. Há aula de ioga e dança, sessões de cinema, samba e até rodinhas de bate-papo no café. Tudo feito com a criança acomodada dentro de um sling (tecido largo que, envolto no corpo, sustenta o nenê sem que a mãe ocupe as mãos) ou num tipo de cadeirinha de pano batizado oportunamente de canguru.

Dança materna, no espaço Aprontando Uma - COMPORTAMENTO - 2229
Dança materna: movimentos de diversos ritmos adequados para ser realizados com o bebê (Foto: Mario Rodrigues)

Uma das profissionais responsáveis por esse circuito de novos serviços é a professora Natalia Neber. Quando sua filha Julia nasceu, ela começou a estudar com uma amiga uma modalidade de exercícios pouco divulgada no Brasil, chamada de baby yoga. A prática consiste em executar posturas da ioga tradicional com o bebê nos braços ou deitadinho no tapete. Natalia gostou tanto da técnica que, há um ano e meio, dá aula a outras mulheres que têm filhos pequenos em três endereços na capital. “O treinamento ajuda a recuperar o tônus muscular depois do parto”, diz.

+ Minichefs e Kinderplay oferecem cursos inovadores para crianças

+ Três musicais para animar a garotada

Para quem achou a atividade um pouco extravagante, imagine um salão com várias pessoas evoluindo ao som de ritmos como o frevo, sem deixar de carregar para a folia seus respectivos filhos. A cena ocorre no curso de dança materna, promovido pelo espaço Aprontando Uma, no bairro de Vila Madalena. “Eu não fiquei parada enquanto estava grávida de Nina e quis dar continuidade a isso quando ela nasceu”, conta Tatiana Tardioli, a professora da atividade. Outra que, imbuída do desejo de passear com a filha, acabou criando um evento novo foi a carioca Ana Pimentel, uma das idealizadoras do Sambebê (www.sambebe.com.br). Loucas por samba, ela e a amiga Tamara Araújo convidam grupos para shows com estrutura específica, incluindo fraldário e mini-instrumentos de percussão espalhados por um tapete macio.

CineMaterna - COMPORTAMENTO - 2229
CineMaterna: sessões de cinema em salas com trocador, iluminação amena e som mais baixo do que o normal (Foto: Divulgação)

Um dos serviços pioneiros nesse mercado foi o CineMaterna, que existe há pouco mais de três anos. São sessões de cinema realizadas em salas equipadas com trocador, fralda, lenço umedecido e pomada contra assaduras. Além disso, o som é mais baixo do que o normal, o ar condicionado é leve e a iluminação, amena. A programação é escolhida pelas espectadoras por meio de uma enquete no site do projeto (www.cinematerna.org.br). Tudo começou quando a cinéfila Irene Nagashima, com o filho de 5 meses, combinou de assistir ao longa Juno ao lado de outras doze mulheres que trocavam experiências em um grupo de discussão sobre maternidade na internet. A turma foi crescendo e as grandes redes, como Cinemark, acabaram concordando em criar sessões exclusivas.

+ Mariana Belém e as aventuras de uma mãe de primeira viagem

+ Xaveco Virtual: nossa ferramenta para paquerar no Twitter

Hoje, Irene lidera o CineMaterna, ONG patrocinada por um grande fabricante de cosméticos. Já foram exibidos quase 300 filmes em encontros que acontecem em catorze cidades do Brasil, em geral no início da tarde ou no fim da manhã. Em São Paulo, há sessões em nove salas. Depois do filme, as mulheres se reúnem em conversas informais em cafés, padarias ou docerias, onde aproveitam para trocar experiências sobre amamentação e desenvolvimento infantil.

BABY YOGA

São posturas adaptadas para ser executadas carregando o bebê ou com ele ao lado da mãe, deitadinho no tapete. Há também leves movimentos de alongamento para a criança

Onde: Grupo de Apoio à Maternidade Ativa. Rua Natingui, 380, Vila Madalena, tel.: 2507-7090. www.maternidadeativa.com.br

Quando: quintas, das 10h às 11h30

Quanto: R$ 206,00 (mensalidade)

DANÇA MATERNA

São movimentos de diversos ritmos, como frevo e samba, adequados para ser realizados com o bebê acomodado no sling

Onde: Aprontando Uma. Rua Simão Álvares, 951, Vila Madalena, tel.: 2855-9129. www.dancamaterna.blogspot.br

Quando: quartas, das 14h30 às 16h

Quanto: R$ 55,00 (aula avulsa)

CINEMATERNA

São sessões de cinema em salas com trocador, iluminação amena, ar condicionado controlado e som mais baixo do que o normal

Onde: Cinemark Shopping Iguatemi, Cinemark Market Place, Cinemark Shopping Pátio Higienópolis, Cinemark Villa-Lobos, Cine TAM MorumbiShopping, Espaço Unibanco Augusta, Espaço Unibanco Pompeia, Frei Caneca Unibanco Arteplex, UCI Anália Franco.

Quando: a programação está disponível no site www.cinematerna.org.br

Quanto: de R$ 11,00 a R$ 18,00

Fonte: VEJA SÃO PAULO