Mistérios da Cidade

Produtoras da capital oferecem vídeos em 360 graus

Pioneiras, a Casa Mais 360 e a Lab 3 TV utilizam GoPros para criar produções interativas em vários ângulos

Por: Maurício Xavier [com reportagem de Alessandra Freitas]

Banda Eva
Imagem captada em show da Banda Eva pela produtora Casa Mais 360 (Foto: Divulgação)

Até pouco tempo atrás, assistir a um vídeo na internet era uma atividade passiva. Isso começa a mudar com a chegada das produções interativas em 360 graus, criadas com um sistema de câmeras que grava todos os ângulos em um mesmo espaço. Isso significa que, em um show, por exemplo, é possível registrar o palco e a reação da plateia simultaneamente.

+ Elenco de Star Wars interpreta músicas famosas da saga espacial

O espectador, como se fosse o diretor do filme no processo de edição das cenas, escolhe o que vai ver, arrastando o mouse ou o dedo na tela. As obras podem ser reproduzidas em computadores ou dispositivos iOS e Android. Neste ano, após o YouTube e o Facebook passarem a rodar vídeos do tipo, a busca pelas produtoras audiovisuais especializadas aumentou.

GoPro
GoPro utilizada para a filmagem em 360 graus (Foto: Divulgação)

+ Vídeo mostra a verdade por trás daquela foto perfeita do Instagram

Pioneirado setor na capital, a Casa Mais 360 viu seu movimento crescer 960% neste semestre em relação ao anterior. No ramo desde 2012, a empresa usa seis câmeras GoPro em um suporte. Os projetos vão de publicidade a festas de casamento e custama partir de 3 000 reais (veja abaixo alguns exemplos):

› BMX Super Spine: produzido em outubro pela Lab 3 TV em um torneio de bicicross em Taubaté, tem três horas de duração. Custo: 5 000 reais.

› Tomorrowland: da Casa Mais 360, o vídeo de quase dois minutos foi gravado em maio, num festival de música eletrônica em Itu. Custo: 7 000 reais.

Fonte: VEJA SÃO PAULO