Aedes aegypti

Primeira morte por dengue em 2016 é confirmada na capital

Vítima tinha 62 anos e morava na Zona Norte da cidade

Por: Andreza Monteiro

dengue-fumacê-prevenção-mosquito
Combate ao mosquito está a todo vapor (Foto: Ale Frata / Folhapress)

O primeiro óbito causado pela dengue na cidade de São Paulo foi confirmado neste sábado (27). Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde confirmou que a causa do falecimento de um homem de 62 anos, no dia 19 de janeiro, foi decorrente da doença. Ele morava no Tremembé, na Zona Norte de São Paulo.

A vítima procurou atendimento no Hospital Municipal São Luiz Gonzaga, no Jaçanã, no dia 16 de janeiro, já com os sintomas da doença. A confirmação da contaminação por dengue foi possível através de testes laboratoriais. Ainda segundo a nota, a Coordenação de Vigilância em Saúde já realizou bloqueio de criadouros no local desde a data da suspeita do caso.

Na última terça-feira (23), a prefeitura divulgou um balanço sobre a situação de transmissão da dengue, chikungunya e zika vírus na cidade, durante o mês de janeiro, por meio de uma coletiva de imprensa com o secretário de saúde do município, Alexandre Padilha.

Segundo os dados divulgados, foram registrados 827 casos de dengue, contra 710 contabilizados no mesmo período em 2015. O aumento foi de 16,5%. Apenas na Zona Leste, em bairros como Lajeado e Penha, foram registrados mais de setenta casos. A região está entre os bairros têm maior incidência de dengue na capital.

Os pacientes com suspeita de chikungunya totalizaram 212 casos, mas o levantamento não conseguiu informar se todos contraíram o vírus na capital. Quanto à presença de zika vírus na cidade, 47 casos da doença foram registrados, mas novamente, nenhum caso autóctone (que se formou ou teve origem no lugar em que foi detectado). No mesmo período também foram contabilizados seis ocorrências de casos de microcefalia que podem ter relação com o zika.

+ Testes com vacina da dengue começam em fevereiro

Fonte: VEJA SÃO PAULO