Política

Dilma, Alckmin e Haddad sofrem queda de popularidade

Crises no governo provocam rejeição da população a presidente, governador e prefeito, segundo pesquisa do Datafolha

Por: Veja São Paulo

Haddad, Dilma e Alckmin
Haddad, Dilma e Alckmin viram seus índices de rejeição subir por causa da crise (Foto: Werther Santana/ Estadão Conteúdo)

A presidente Dilma Rousseff, o governador Geraldo Alckmin e o prefeito Fernando Haddad aumentaram seus índices de rejeição nos últimos meses, segundo pesquisa do Datafolha divulgada hoje. O escândalo da Petrobras, a falta de água no estado de São Paulo e a piora da economia são as principais razões do pessimismo da população.

+ Projeto de expansão das ciclovias custa mais que o triplo do previsto

Dilma levou  as piores notas. Em dezembro passado, ela era avaliada com 42% de ótimo/bom e 24% de ruim/péssimo. Agora, marca respectivamente 23% e 44%. São as piores marcas de sua gestão e a mais baixa popularidade de um presidente da República desde Fernando Henrique Cardoso em dezembro de 1999. Na época, ele teve 46% de ruim/péssimo.

Quase metade (47%) dos brasileiros a consideram desonesta, além de falsa (54%) e indecisa (50%). A imagem deteriorada alcança correligionários. Entre petistas, 15% falam em desonestidade e 19%, em falsidade.

+ Video: Buraco, lixo e até barraca de pastel são obstáculos para ciclovias

Alckmin também viu sua popularidade cair, mas segue aprovado pela maioria dos paulistas. Seu governo foi avaliado em 38% como ótimo/bom, 36% regular e 24% de ruim/péssimo. O governador perdeu dez pontos de ótimo/bom desde outubro e caiu de 48% para 38%, nível que tinha em junho de 2013.

Haddad teve o mesmo nível de rejeição de Dilma, com 44% de ruim/péssimo, 33% de regular e 20% de ótimo/bom.

+ Confira as principais notícias da cidade

Fonte: VEJA SÃO PAULO