cidade

Prefeitura investiga fraude na Parada Gay

Empresa que montou estrutura para o evento foi contratada sem licitação por cerca 1,3 milhão de reais

Por: Estadão Conteúdo

Parada Gay
Parada Gay: organização do evento sob investigação (Foto: Avener Prado/FolhaPress)

A Controladoria-Geral do Município de São Paulo (CGM) apura irregularidades na organização da Parada Gay, realizada em junho deste ano. Segundo as investigações, há suspeita de manobras ilegais para a contratação da empresa SP Eventos. Um funcionário da prefeitura responsável pela realização da Parada foi exonerado no mês passado.

+ Mais da metade dos paulistanos afirmam ter medo da polícia

As investigações mostram que Eduardo Cardoso, ex-assessor técnico da Secretaria Municipal de Direitos Humanos, teve participação direta na escolha da SP Eventos. A empresa foi contratada sem licitação por cerca de 1,3 milhão de reais para assegurar a estrutura da Parada, com fornecimento de palco, equipamentos de som e iluminação e toda a estrutura ao redor do evento, como banheiros químicos. A Parada foi realizada no dia 7 de junho.

A CGM informou que só vai se pronunciar sobre o caso após a conclusão das investigações, que já estão na fase final. Na SP Eventos, ninguém atendeu aos telefonemas e a empresa também não respondeu ao e-mail encaminhado pela reportagem até as 21 horas de ontem.

Metade dos paulistanos reprova gestão de Alckmin na crise hídrica

Cardoso, que foi exonerado no dia 19 de outubro, negou qualquer tipo de irregularidade e afirmou que a prefeitura tem o dever de fazer o levantamento de todos os contratos firmados. "A minha função era ser fiscal do contrato, verificar se a infraestrutura prometida estava disponível (na Parada)", afirmou. Embora o evento seja de responsabilidade da Associação da Parada do Orgulho GLBT (Apoglbt), cabe à prefeitura a contratação de toda a infraestrutura.

Sem licitação

Não é a primeira vez que o nome do ex-assessor técnico aparece em investigações da CGM. Em setembro, ele foi citado em apuração sobre um suposto esquema de fraude em contrato de R$ 4,3 milhões da Secretaria Municipal de Direitos Humanos com uma empresa de serviços de gráfica. A suspeita é de que, com a ajuda de servidores, um mesmo grupo empresarial tenha se inscrito com diferentes nomes para simular uma concorrência. A licitação foi suspensa. 

Russomano lidera corrida eleitoral, diz Datafolha

Segundo a CGM, durante a licitação, as empresas Graftec Gráfica e Editora, RGB Mídia e Editora, e Rede Seg Gráfica e Editora se apresentaram como grupos diferentes. As investigações, porém, descobriram que os sócios das empresas são da família Zanardo.

Além disso, a servidora municipal Mayra Ingrid da Silva, da pasta dos Direitos Humanos e que também é investigada, fez uma pesquisa de mercado que resultou em preço de 4,9 milhões de reais para o certame, um valor superfaturado, segundo a CGM. O edital também exigiu empresas apenas da Grande São Paulo na disputa, "limitando a participação" de concorrentes.

+ Confira as últimas notícias

Desde o início das investigações, funcionários da pasta foram exonerados. Na ocasião, o titular da pasta, Eduardo Suplicy, defendeu Cardoso e os demais funcionários suspeitos e chegou a criticar a maneira como as investigações eram conduzidas. Depois mudou de opinião e defendeu o trabalho da CGM. A situação de Cardoso se agravou com as apurações sobre a Parada Gay. Cardoso nega todas as suspeitas. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO