Trânsito

Prefeitura pintará faixa verde para pedestres na Liberdade

Medida tem como objetivo abrir mais espaço para a circulação de quem anda a pé pela área

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Rua Galvão Bueno
Liberdade: alta circulação de pedestres, principalmente aos finais de semana (Foto: Leonam Bernardo)

A Prefeitura de São Paulo vai pintar uma faixa verde exclusiva para pedestres na Avenida Liberdade, que será uma extensão da calçada. Paralela à ciclovia, a faixa terá 750 metros e será instalada entre os Metrôs São Joaquim e Liberdade, sentido centro, região que concentra faculdades e hospitais.

Será proibido estacionar em período integral no trecho, onde hoje já não é permitido de segunda à sexta-feira, das 6h às 23h. Ainda não há data para a medida entrar em vigor. Elaborada pela Companhia de Engenharia do Tráfego (CET), a proposta faz parte de um projeto piloto.

+ Morre modelo gaúcha atropelada na Faria Lima

No trecho entre as ruas São Joaquim e dos Estudantes, a faixa terá largura de 1,5 metro. A largura média da calçada já existente varia entre 2 e 4 metros. Segundo a Prefeitura, o objetivo é melhorar as condições de conforto e segurança para quem anda a pé, em vias onde há grande movimentação de pedestres que acabam invadindo a avenida.

A Prefeitura informou que a capacidade viária será mantida no trecho porque a CET vai alterar os limites das faixas de tráfego no local. Será usada uma técnica de engenharia conhecida como Máxima Utilização do Leito Viário (MULV), medida que pode, por exemplo, estreitar a largura das faixas para veículos e alargar para ônibus.

A faixa verde será antiderrapante, terá "tartarugas" amarelas fixadas a cada metro e uma linha branca pintada no chão. No início e no fim das guias, serão instalados balizadores cilíndricos, uma estrutura refletiva para delimitar a separação física entre carros e pedestres.

+ Três comidinhas diferentes para provar na Feirinha da Liberdade

A iniciativa segue a política de mobilidade urbana defendida pela Prefeitura, que dá prioridade aos pedestres, atores mais vulneráveis do trânsito.

Fonte: Estadão Conteúdo