Meio Ambiente

Prefeitura amplia a distribuição gratuita de mudas de plantas

Cada cidadão tem direito a retirar dez mudas de árvores e cinco exemplares de plantas menores, para decoração ou tempero

Por: Carolina Giovanelli

Meioambiente2
A estudante Kethleen Pereira: em uma feira universitária que ajudou a organizar no Mackenzie, ela recebeu plantas para levar para casa e trabalho (Foto: Lucas Lima)

Não só a chegada da primavera promete deixar a cidade mais verde e florida. A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente tem dado atenção especial à distribuição gratuita de mudas na capital. Até o mês passado, os paulistanos tinham direito a retirar cinco plantas por ano em viveiros instalados em três lugares: no Parque do Carmo, em Itaquera, no Centro Municipal de Campismo, em Cotia, e no Parque do Ibirapuera. No último dia 1º, a prefeitura aumentou esse número para quinze espécies, divididas em dez árvores e cinco arbustivas ou herbáceas (de porte menor, como temperos e flores para decoração).

Entram na lista das árvores tipos como ipê, manacá e jabuticabeira. Do lado dos exemplares pequenos, aparecem pés de erva-cidreira, cânfora, agapanto, citronela, madressilva... Esses últimos devem ser retirados apenas no estande montado na marquise do Parque do Ibirapuera, das 10 horas do sábado às 16 horas do domingo, e em eventos específicos. Até setembro deste ano foram entregues 6 079 mudas — 1 780 delas apenas no mês passado. Trata-se de um número crescente. Em 2012, foram 6 403 no total. “Queremos divulgar e expandir um direito que é pouco conhecido de muitos cidadãos”, diz Milton Persoli, diretor do Departamento de Parques e Áreas Verdes. “É uma campanha simples, mas que pode mudar o visual da cidade, atenuar a poluição e atrair a fauna.” 

Meioambiente3
Final de semana ecológico: distribuição de mudas na marquise do Parque do Ibirapuera (Foto: Lucas Limas)

Os pontos de distribuição também se multiplicaram. Entre o fim de setembro e o começo de outubro, 57 parques passaram a oferecer plantas gratuitamente. Entre eles, aparecem Aclimação, Buenos Aires, Trianon, Alfredo Volpi, Jardim da Luz e Guarapiranga. Os interessados na doação precisam preencher um formulário com dados como o tamanho do terreno disponível em sua casa. A muda é entregue sempre acompanhada de um manual sobre o plantio e os cuidados básicos. Além dos parques, alguns shoppings se mostraram motivados a receber os estandes de doação, como o Aricanduva e o Interlagos. Ambos os centros de compras em breve oferecerão o serviço.

Ao saber da campanha, a estudante de comércio internacional Kethleen Pereira, de 19 anos, entrou em contato com a Secretaria do Meio Ambiente para instalar uma barraquinha de mudas na feira de recrutamento universitário que ela estava ajudando a organizar na Universidade Mackenzie. “Fiquei surpresa com o número de jovens que se interessaram”, conta. No evento, que aconteceu em setembro, as 500 mudas acabaram em três horas. “Na feirado ano que vem, não vamos deixar faltar, queremos trazer mais de 1 500 plantas.” Ela mesma levou um pé de erva-cidreira para casa e outras duas espécies para alegrar seu ambiente de trabalho, na Empresa Junior do Mackenzie, onde os funcionários se revezam nos cuidados dos vasinhos. 

Meioambiente
A síndica Maria Benedita Noronha: ela pediu para a prefeitura plantar um ipê na frente de seu prédio, na Bela Vista (Foto: Lucas Lima)

Outro serviço antigo porém pouco conhecido que agrada aos fãs do verde é um “árvore delivery”. É possível chamar a prefeitura, pelo telefone 156, para plantar uma árvore em uma praça, em um canteiro ou na calçada de sua casa, sem custo algum. Até agosto deste ano foram plantadas 6 700 mudas na cidade. Para Maria Benedita Noronha, síndica de um prédio na Bela Vista, o processo, depois de protocolado o pedido, demorou uma semana. “Aquela calçada estava tão tristinha”, lembra. O caminhão chegou com um ipê-roxo, com mais de 2 metros de altura. O jardineiro trocou a terra velha, colocou adubo e agora a planta cresce vigorosamente. “Os vizinhos estão com inveja”, diz Maria. “Eu rego, abraço e converso com ela para que dê flores logo.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO