Cidade

Templo de Salomão: prefeitura quer 3 500 moradias para regularizar igreja

O maior espaço religioso do país é investigado por supostas irregularidades durante a construção

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Um mês e meio após a festa de inauguração, a prefeitura de São Paulo quer exigir da Igreja Universal a construção de 3 500 moradias populares para regularizar o Templo de Salomão, erguido no Brás, centro da cidade. No inquérito instaurado pelo promotor de Justiça Maurício Antonio Ribeiro Lopes são apuradas algumas supostas irregularidades, como o fato de a igreja ter sido construída com base em um alvará de reforma.

Detalhes exclusivos do Templo de Salomão

+ Artista israelense destrói Templo de Salomão em vídeo

Segundo o documento já enviado ao Ministério Público Estadual, o zoneamento onde está o templo foi definido pelo Plano Diretor de 2004 como Zona Especial de Interesse Social (Zeis). Por isso, a área deveria ser reservada à construção de moradias populares, o que não ocorreu.

Templo de Salomão
Templo de Salomão: maior centro religioso do país (Foto: Fotoarena/Folhapress)

Pelas regras do Plano Diretor em vigor durante a obra, a Universal deveria construir conjuntos de habitação social para ao menos 400 famílias, se quisesse obter autorização para atuar em área de Zeis. Mesmo sem erguer nem sequer uma moradia, a obra do Templo de Salomão foi autorizada em 22 de outubro de 2008. O Ministério Público Estadual investiga se houve irregularidade na emissão das licenças e na construção.

Acionada pela Promotoria de Habitação e Urbanismo, a prefeitura agora quer assegurar que o Templo de Salomão ofereça as contrapartidas sociais que deveriam ter sido cobradas em agosto de 2008, quando a igreja protocolou o pedido oficial de construção.

+ Edir Macedo e família moram em cobertura do Templo de Salomão

O promotor Maurício Ribeiro Lopes se reuniu na última segunda-feira (8) com representantes da Universal, na tentativa de assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). O objetivo é restabelecer parte das contrapartidas não exigidas durante o processo de obra, além de amenizar os impactos no trânsito local.

Procurado, Lopes não quis revelar o teor das propostas apresentadas à igreja. Já a Universal afirmou, por meio de nota oficial, que só vai se manifestar sobre a proposta apresentada pelo Ministério Público Estadual no momento oportuno.

+ Confira as últimas notícias da cidade

O maior espaço religioso do país, com 100 000 metros quadrados de área construída, teve as portas abertas com o respaldo de um alvará provisório emitido pela gestão de Fernando Haddad (PT) em 19 de julho - treze dias antes da abertura. (Com Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO