Arte de rua

Prefeitura apaga parte de grafite da dupla Os Gêmeos

Desenho feito no Paraíso foi mantido, mas a frase "Vinagre é crime" foi coberta de tinta

Por: Redação Veja São Paulo

os gemeos
No Paraíso, somente a frase "Vinagre é crime" foi apagada (Foto: Reprodução/Facebook)

Parte de um desenho feito pela dupla Os Gêmeos foi apagado na rua Ramon Penharuba, região do Paraíso. Essa é a terceira vez em três meses que obras dos artistas são apagadas em São Paulo.

No muro havia uma figura e a mensagem "Vinagre é crime", que foi coberta de tinta cinza. Da mesma forma como fez quando teve trabalhos apagados no viaduto do Glicéro, na região central, os grafiteiros mandaram uma mensagem à administração municipal. Eles escreveram na mesma parede parte o artigo 5º. da Constituição Federal:  "É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença".

A frase apagada fazia referência direta às manifestações que aconteceram em São Paulo no último mês. No dia 16 de junho, quando os protestos organizados pelo Movimento Passe Livre (MPL) estavam acontecendo quase diariamente, Os Gêmeos fizeram outro grafite que fazia referência direta aos manifestantes. Localizada na Praça Roosevelt, a obra foi apagada quatro dias depois.

Os gemeos roosevelt
Grafite apagado na Praça Roosevelt (Foto: Reprodução/Facebook)

Polêmica

Em maio, a dupla desenhou três vezes sob o mesmo viaduto do Glicério. A polêmica causada pela divulgação das imagens fez com que a Prefeitura convocasse uma reunião entre grafiteiros, representantes da Secretaria de Cultura, da Subprefeitura da Sé e da Coordenadoria da Juventude.

Segundo a Prefeitura, houve um "entendimento equivocado" de que a frase não fazia parte da obra. Ainda de acordo com a administração, quando há dúvida se a intervenção é pichação ou grafite, a equipe deve enviar fotos à subprefeitura para que sejam analisadas.  "Esse procedimento não foi observado e, por isso, a equipe que apagou o grafite será trocada", afirmou a Prefeitura em nota.

Fonte: VEJA SÃO PAULO