Cidade

Prefeitura gasta 37 000 reais para remover tinta de monumentos

A limpeza do Monumento às Bandeiras e da estátua de Borba Gato, vítimas de vandalismo, não tem prazo de término

Por: Andreza Monteiro

monumento bandeiras pichado
Monumento à Bandeiras no Ibirapuera amanheceu cheio de tinta colorida na sexta (30) (Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo)

O trabalho de remoção da tinta do Monumento às Bandeiras e da estátua do Borba Gato, localizadas na Zona Sul, está a todo vapor e deve custar aos cofres da prefeitura 37 000 reais. Ambos os monumentos amanheceram pintados com tintas de diversas cores na última sexta-feira (30).

A empresa contratada para fazer a limpeza é a Soma Soluções em Meio Ambiente, que já atua na limpeza urbana nas regiões Sul e Leste da capital. Não há prazo para término da ação.

Victor Brecheret Filho, de 75 anos, filho do famoso escultor que criou o Monumento às Bandeiras, localizado em frente ao Parque do Ibirapuera, disse a VEJA SÂO PAULO que acredita que a ação tenha sido planejada em retaliação a um discurso ocorrido durante o debate entre os candidatos à prefeitura da capital, ocorrido na noite da última quinta (29) e transmitido pela TV Globo.

+ Doria promete não aumentar impostos e nem a tarifa de ônibus em 2017 

No segundo bloco do debate, a senadora Marta Suplicy (PMDB) e o candidato recém-eleito pelo PSDB, João Doria, falaram sobre o tema “pichações e vandalismo”. Eles disseram que, caso eleitos, iriam decretar o fim dessas ações que “enfeiam a cidade” e são praticadas por pessoas que o fazem pela sensação de “adrenalina” e “prazer”.

“Isso acontece com anuência da prefeitura. Vamos coibir isso. Vandalismo tem que ser tratado como caso de polícia. É uma agressão contra a cidade. Ela tem que ser respeitada”, afirmou Doria. “Tenho dor quando vejo a estátua do Brecheret, aquela do Ibirapuera que é lindíssima, toda pichada. Isso não pode acontecer, e se ocorrer, a prefeitura tem de limpar no dia seguinte”, declarou Marta.

Até esta terça-feira (4), o trabalho de remoção da tinta já encontrava-se bem adiantado, tanto no Monumento às Bandeiras quanto na estátua do Borba Gato. A Secretaria de Comunicação da Prefeitura (Secom) informou que não é possível estipular um prazo para a finalização, visto que fatores ambientais podem atrasar o processo.

Imagens de câmeras de segurança da região em que fica a obra de Brecheret  flagraram o momento em que um casal usou uma máquina que solta jatos de tinta para pintar o Monumento às Bandeiras, por volta das 2h da madrugada de sexta-feira. A Polícia Civil tenta agora identificar os responsáveis.

Fonte: VEJA SÃO PAULO