Cidade

Praça Victor Civita, em Pinheiros, será aberta em terreno onde funcionou um incinerador de lixo

A praça contará com uma agenda cultural intensa como apresentação de músicos da Osesp, aulas de ioga e peças teatrais

Por: Camila Antunes - Atualizado em

Assim como a mitológica ave fênix, que renasce das próprias cinzas, uma área degradada em Pinheiros ganhará vida nova a partir desta semana. Com 13 600 metros quadrados, na Rua Sumidouro, a poucos metros da Marginal Pinheiros, ela foi durante quarenta anos o destino final de 200 toneladas diárias de lixo industrial, hospitalar e residencial. Até 1989, os detritos eram incinerados ali. Após um meticuloso projeto de revitalização (veja o quadro), o terreno vai dar lugar à Praça Victor Civita, que será aberta ao público na terça (4). Será um espaço para celebrar a sustentabilidade. "Se conseguimos transformar um depósito de entulho em área verde, isso significa que se pode fazer o mesmo em outros locais deteriorados", afirma Hamilton dos Santos, diretor do Instituto Abril, organização sem fins lucrativos criada em 2007 para tocar o projeto em parceria com a prefeitura. A revitalização custou 10 milhões de reais, rateados entre a Editora Abril, que publica Veja São Paulo, o Banco Itaú, a Petrobras e a construtora Even.

Para resolver a questão da contaminação do espaço, cujo nome homenageia Victor Civita (1907-1990), o fundador da Abril, acrescentou-se uma camada de 50 centímetros de terra nova em todo o jardim. Aproximadamente 3 500 metros cúbicos foram despejados ali, o suficiente para encher quase duas piscinas olímpicas. Ainda assim, optou-se pela construção de deques, para que os visitantes não pisem na grama. A cartilha ecológica foi aplicada nos mínimos detalhes. Toda a madeira é legalizada e o aço, feito de material reciclado. Parte da iluminação será garantida por energia solar. Sob a vegetação ficarão reservatórios para armazenar a água da chuva, que depois será usada na irrigação.

O que mais deve atrair visitantes, no entanto, é a intensa agenda cultural, que vai desde a apresentação de músicos da Osesp até aulas de ioga, passando por peças teatrais e rodas de contação de histórias. Restaurado, o prédio onde funcionava o incinerador foi transformado em um espaço para exposições de arte, chamado de Museu da Sustentabilidade - numa segunda fase, abrigará também uma biblioteca. Aberta diariamente das 6h30 às 19h, com seguranças e policiais em seus três portões, a Praça Victor Civita terá, uma vez por semana, shows ao meio-dia para atrair o público de trabalhadores e moradores da região. Os espetáculos ocorrerão na arena com arquibancada para 250 pessoas.

Crianças e paulistanos da terceira idade terão atenção especial na programação. Para os pequenos foi construído um ateliê destinado a oficinas de educação ambiental. Os mais velhos poderão participar de aulas de dança, canto e ginástica no centro de convivência. Todas as atividades promovidas na praça terão caráter educativo e serão gratuitas. Mesmo quem for até lá só para caminhar já vai aprender um pouco sobre energia alternativa. Num canteiro, há plantas usadas para a produção de biodiesel e de álcool. Espera-se que a Praça Victor Civita atraia diariamente 500 pessoas. Ela é um presente para Pinheiros e para a cidade.

Destaques da programação

Terça (4), 13h

Show do grupo instrumental Uakti, conhecido por tirar sons de tubos de PVC, pedras e vidros

Sexta (7), 12h

O flautista Toninho Carrasqueira, do Quinteto Villa-Lobos, apresenta-se com a orquestra Grupo Pão de Açúcar

Sábado (8), 10h

Versão para crianças, com passagens cantadas, de O Doente Imaginário, peça escrita por Molière (1622-1673)

Sexta (14), 12h

Orquestra Bachiana Jovem, regida por João Carlos Martins

Domingo (30), 11h

Quinteto de metais da Osesp

Consulte a programação completa em www.pracavictorcivita.org.br

Fonte: VEJA SÃO PAULO