blocos na rua

Pós-Carnaval na Vila Madalena segue tranquilo

Após novas medidas de segurança, bloquinhos têm restrição de bebida alcoólica e número de pessoas

Por: Alessandra Freitas - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

O Carnaval já passou, mas muitos foliões ainda querem aproveitar a festa. Apesar de o público não ser tão grande quanto o contabilizado nos bloquinhos de pré-carnaval, o último final de semana de folia na Vila Madalena conseguiu animar quem compareceu por lá.

Por volta das 16h, cerca de 300 pessoas fantasiadas dançavam ao ritmo das marchinhas do bloco Os Madalena, localizado entre as ruas Colonização e Arapiraca. O mesmo número de foliões, aproximadamente, seguia o trio Xaveco, da Banda Carnavalesca Macaco Cansado, que saía do Beco do Batman, na Rua Harmonia. 

+ Carnaval na Vila Madalena deixa rastro de brigas, bagunça e sujeira

+ Folia na Vila Madalena pode ter revista pessoal em 2016

Para evitar as confusões que ocorreram durante o Carnaval, o secretário da Segurança Pública, o subprefeito de Pinheiros e representantes da CET atenderam a pedidos de moradores do bairro e criaram novas medidas de segurança. Semelhante aos esquemas da Copa do Mundo, a circulação de pessoas e veículos foi delimitada e foi proibida a entrada de bebidas alcoólicas e garrafas.  O acesso também foi limitado a 15 000 pessoas. 

+ Folia sem fim: confira os blocos que desfilam no pós-Carnaval

As novas regras pareceram funcionar neste sábado (21). O clima era tranquilo e não houve relatos de confusão nos locais destinados aos blocos de rua. Como o número de pessoas não chegou a 15 000, não foi necessário restringir a entrada.

A medida que proibiu a entrada de bebidas alcóolicas e garrafas se mostrou eficiente: guardas da CET, na Rua Fidalga, proibiram a entrada de bebibas que estavam com duas estudantes no local. Para consumir dentro do perímetro permitido, os foliões tinham a opção de comprar uma latinha de Skol por R$ 4,00 ou três por R$ 10,00. 

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO