Cidade

Por falta de segurança, estações do Bike Sampa são desativadas no centro

De acordo com o Itaú, usuários tinham medo de pegar ou devolver uma bicicleta em locais como Praça da Sé, Rua Santo Antônio e Anhangabaú

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM - Atualizado em

A insegurança do centro de São Paulo levou o Itaú a fechar dez estações do sistema de aluguel de bicicletas Bike Sampa. De acordo com o banco, algumas estações foram alvo de furto e vandalismo. Outras, por ficarem em locais considerados perigosos, não eram procuradas pelos usuários, que tinham medo de retirar ou devolver uma bicicleta ali. 

Os pontos fechados definitivamente foram: Glicério (Rua do Glicério, 345), Vai-Vai (Rua São Vicente, 202) e Barão de Iguape (Rua Sinimbu, 111). Mais sete estão desativados: Praça da Sé, Anhangabaú, Santo Antônio, Praça da República, Liberdade, Mercado Municipal e São Bento. O Itaú diz que vai tentar realocá-los no centro, mas em outros endereços. 

 

O Bike Sampa continuará presente agora em 132 estações espalhadas pela cidade. Para alugar uma bicicleta, o usuário precisa baixar um aplicativo no celular e cadastrar um cartão de crédito. O aplicativo identifca as estações mais próximas e quais delas têm bikes disponíveis. O aluguel é gratuito durante uma hora e depois é cobrado 5 reais a cada 60 minutos. A devolução do equipamento pode ser feita em qualquer ponto, desde que haja vaga. 

Até o fim do ano, o Itaú pretende inaugurar mais 158 estações - inclusive na Zona Leste -, totalizando 3 000 bicicletas disponíveis.

Fonte: VEJA SÃO PAULO