Criminalidade

Policial federal é baleado em assalto no Jabaquara

Ele estava na cidade participando de curso sobre áreas violentas e foi assaltado ao parar em um semáforo

Por: Veja São Paulo

Polícia Federal
Mesmo baleado no peito, policial deu detalhes do ladrão que acabou preso (Foto: Marcelo Fonseca/Folhaçress)

Depois de participar de um curso sobre áreas violentas, um policial federal de 30 anos foi baleado neste sábado (6) durante assalto no cruzamento das avenidas Jabaquara e Pedro Bueno, na Zona Sul . Um suspeito foi preso e de acordo com a polícia confessou o crime.

+ Despreocupada, mulher caminha totalmente nua pela rua em Santos

Rogério Prates da Costa Alves faz parte de um grupo de operações especiais da Polícia Federal que veio do Mato Grosso do Sul para São Paulo, no sábado passado, para participar de um curso de como entrar em áreas violentas. O curso terminou neste sábado. Ele ia pegar a estrada e voltar para casa, mas ficou frente a frente com um criminoso. Tentou reagir e foi baleado no peito. Mesmo ferido, o agente deu detalhes das roupas e da aparência física do ladrão.

Ele foi levado para um Pronto Socorro, no Jabaquara. Enquanto isso, a polícia fez buscas pelo bairro e prendeu um suspeito. Gustavo Cruz de Sá, de 21 anos, foi preso dentro de um barraco de uma favela atrás do Aeroporto de Congonhas.  Na delegacia, ele confessou o crime. E contou que tinha escondido a arma. Um grupo da Polícia Civil foi procurar. Uma pistola antiga, com quatro balas estava no meio de um arbusto.

+ Confira as últimas notícias da cidade

As tatuagens nas pernas do suspeito chamaram a atenção da polícia, que consultou a ficha criminal. Gustavo já tinha sido preso por suspeita de envolvimento em outro latrocínio e por roubos. Ele ficou três meses na prisão e voltou para as ruas no fim de abril.

Gustavo Cruz de Sá foi autuado em flagrante por latrocínio tentado, porque a vítima sobreviveu. A pena para este tipo de crime vai de 7 a 15 anos de prisão.  Já o policial federal não corre risco. Na tarde deste sábado, ele foi transferido para um hospital em Minas Gerais.

Fonte: VEJA SÃO PAULO