Educação

Polícia investigará ranking com ofensas sexuais a alunas na USP

Cartaz exposto na universidade em Piracicaba dividia as alunas pelos seus codinomes em tópicos vexatórios

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

esalq
Mural na Esalq: cartaz com os codinomes das alunas foi destruído e retirado pelas estudantes (Foto: Reprodução Facebook)

A Polícia Civil vai abrir inquérito para investigar os autores do cartaz que ligava o nome de alunas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo, em Piracicaba, a "críticas" sexuais. O caso será investigado pela delegacia seccional da região. O item estava exposto no Centro de Vivência, um pátio de reunião entre os alunos, e foi retirado pelos próprios estudantes.

+ Mural com ofensas sexuais a alunas na USP causa revolta

O caso causou revolta de estudantes e professores. O conteúdo da "brincadeira", considerada racista e machista, motivou a diretoria da unidade a abrir uma sindicância interna para apurar os autores das ofensas.

O cartaz dividia as alunas pelos seus codinomes, em tópicos vexatórios. Quando um aluno ingressa na USP, assim como em outras instituições, ele é apelidado pelos veteranos e acaba tendo de usar o nome em festas e outros eventos sociais.

+ Alunos da USP vendem manual com ofensas a calouros

Uma aluna de 22 anos usou o Facebook para criticar o painel. "Quando vi (o cartaz), percebi que o nível de machismo, lgbtfobia e racismo da Esalq não para de piorar", escreveu a estudante.

A Esalq foi uma das unidades da USP que mais recebeu críticas e denúncias durante a Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou casos de violação aos direitos humanos em universidades paulistas, no início deste ano. Em fevereiro, a instituição chegou a assinar um acordo com o Ministério Público contra trotes na unidade.

+ Confira as últimas notícias

Dentre os episódios relatados está o de um aluno que disse ter sido envenenado por um produto agrícola e o de uma estudante que contou ter sido estuprada em uma república. (Com Estadão Conteúdo).

Fonte: VEJA SÃO PAULO