POLÍTICA

Polícia Federal passará a investigar "máfia da merenda"

Contratos suspeitos de fraudes em prefeituras paulistas somam R$ 38,9 milhões de reais; servidores públicos e políticos estariam envolvidos no esquema

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Protesto estudantes Assembleia Legislativa
Em maio, estudantes invadiram o plenario da Assembleia para pedir a abertura de uma CPI sobre o caso (Foto: Veja São Paulo)

O Ministério Público Estadual e a Justiça de Bebedouro, no interior de São Paulo, anunciaram nesta quarta (15), o envio das investigações sobre as fraudes nos contratos da merenda à Justiça Federal. Com a medida, o caso passará a ser apurado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal. A transferência ocorreu pois quase todo os recurso desviados seriam proveniente do governo federal, sendo uma pequena parte das prefeituras.

+ Tite aceita convite para comandar a Seleção Brasileira

Leonardo Romanelli, um dos promotores do caso, contou que a Justiça Federal já sinalizou de forma positiva, mas o processo deve demorar cerca de duas semanas para ser transferido de Bebedouro, local de origem das investigações, para Ribeirão Preto. Um dos motivos é o tamanho. "São oito volumes com mais de 16 mil páginas", contou.

Os contratos suspeitos de fraudes em prefeituras paulistas somam R$ 38,9 milhões e foram investigados durante a "Operação Alba Branca". O caso ficou conhecido como "Máfia da Merenda" e envolveu a Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), com sede em Bebedouro, que prestava serviço para dezenas de prefeituras do estado.

Segundo o apurado, servidores públicos e políticos estariam envolvidos no esquema e até 20% do valor do contrato acabava revertido em propina. Entre os nomes, foi citado em delação premiada o do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez, que nega qualquer envolvimento nas fraudes. Por ter foro privilegiado, o deputado não será investigado pela Justiça Federal, estando o caso com a Procuradoria-Geral de Justiça.

Fonte: VEJA SÃO PAULO