Brasil

Polícia Federal desiste de greve às vésperas das eleições

A presidente Dilma Rousseff enviou dois homens fortes do governo para negociar com os agentes

Por: Veja São Paulo

Polícia Federal
Categoria fez reunião ontem por videoconferência com todas as centrais regionais (Foto: Marcelo Fonseca/Folhaçress)

Com uma greve de 72 horas marcada para esta quarta-feira (22), a Polícia Federal (PF) desistiu de cruzar os braços após a intervenção de dois homens fortes - um ministro e um secretário-executivo - da presidente Dilma Rousseff (PT). Eles não anunciaram uma nova data para a paralisação. A análise do Palácio do Planalto é que uma greve da categoria seria catastrófica para o pleito de domingo (26), quando Dilma concorrerá à reeleição contra Aécio Neves (PSDB). 

+ Confira as últimas notícias da cidade

+ Em vídeo do WhatsApp, Alckmin diz lamentar "uso político" da falta de água

Depois da conversa com o ministro das Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, e com o secretário-executivo da Casa Civil, Valdir Simão, a Federação Nacional da Polícia Federal (Fenapef) decidiu "dar um voto de confiança" ao governo, que já teria estabelecido "um compromisso para solucionar a crise na Polícia Federal", segundo a nota do sindicato. Uma videoconferência feita na tarça-feira (21) com todas as centrais estaduais permitiu que fosse batido o martelo pelo acordo. 

Ainda segundo a Fenapef, a paralisação seria feita contra a Medida Provisória (MP) 657/14, que estabelece novas diretrizes para a carreira de policial federal. Entre outras coisas, determina que o cargo de delegado da PF só possa ser exercido por quem tem pelo menos três anos de atividade jurídica ou policial. 

+ Bandidos fogem e deixam explosivos em caixas eletrônicos

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO