Criminalidade

Polícia Civil indicia seis PMs e um GCM por chacinas na Grande SP

Crimes ocorreram nos dias 8 e 13 de agosto, quando 23 pessoas foram mortas a tiros 

Por: Ana Luiza Cardoso

Chacina Osasco
Chacina de Osasco: inquérito foi concluído pela Polícia Civil  (Foto: Avener Prado/Folhapress)

A Polícia Civil concluiu o inquérito sobre a chacina que matou 23 pessoas em Barueri, Carapicuíba, Osasco e Itapevi, na Grande São Paulo, nos dias 8 e 13 de agosto deste ano. Segundo nota da Secretaria da Segurança Pública, foram indiciadas sete pessoas, entre elas seis policiais militares e um guarda-civil. Suspeitos pelos assassinatos e por sete tentativas de homicídio, eles já estão presos. O caso já está com o Ministério Público, que ainda deve apresentar a denúncia à Justiça.

+ “Encontrei meu irmão caído sobre o próprio sangue”, diz dono de bar

Também foi detido um policial acusado de ameaçar testemunhas. Não foram divulgados os nomes dos suspeitos e o caso segue em segredo de Justiça.

+ PM da Rota preso por chacina em Osasco já responde a cinco processos

+ Testemunha de chacinas é assassinada na Grande São Paulo

Ainda, segundo a pasta, das dezenove mortes do dia 13 de agosto –a maior chacina do ano no Estado–, duas foram desconsideradas nesta investigação por não terem ligação com os outros assassinatos. Esses dois casos aconteceram nas ruas Eurico da Cruz e Cuiabá, em Osasco. 

+ Polícia faz operação para prender seis suspeitos de chacina em Osasco

Uma “força tarefa" trabalhou nas apurações. A mobilização contou com a participação de 457 policiais, sendo 201 civis do DHPP e do Departamento de Polícia Judiciária da Macro São Paulo (Demacro) e 256 militares da região e da Corregedoria da PM. 

+ Confira as últimas notícias

Para a investigação, os crimes ocorreram em retaliação pela morte de um soldado e um guarda-civil dias antes das chacinas. Segundo a SSP, na região metropolitana de São Paulo, houve 28 chacinas em 2013 e 14 em 2014 e, neste ano, foram registrados 17 mortes em série até novembro.

Fonte: VEJA SÃO PAULO