Crime

Polícia apreende 1,3 tonelada de roupas engomadas com cocaína

Drogas eram transportadas em dois ônibus na Rodovia Marechal Rondon, em Araçatuba, e seriam entregues na capital

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Roupas com cocaína
Roupas impregandas com cocaína, apreendidas em caso similar, na sexta (14): reagente identifica droga no tecido (Foto: Divulgação / Polícia Militar)

A Polícia Rodoviária apreendeu quase 1,3 tonelada de roupas engomadas com cocaína entre a noite de quarta-feira, 19, e a manhã desta quinta-feira, 20, na Rodovia Marechal Rondon (SP-300), em Araçatuba, no interior de São Paulo. Foram duas apreensões de oito fardos de roupas engomadas com cocaína que eram transportadas em dois ônibus coletivos que saíram de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, com destinos a Taguatinga, no Distrito Federal, e a capital paulista.

+ Leia as últimas notícias

As apreensões desse tipo de tráfico foram as primeiras registradas nesse corredor de tráfico internacional pela rodovia que liga ao Paraguai e a Mato Grosso. A presença do pó foi constatada depois que policiais do Tático Ostensivo Rodoviário (TOR) usaram um reagente. Na primeira apreensão, na noite de quarta-feira, uma mulher de 38 anos disse que desconhecia a existência de droga nos três fardos de 540 quilos de roupas.

Na apreensão da manhã desta quinta-feira, 20, duas mulheres, de 47 e 49 anos, disseram que a droga, dentro de cinco fardos de roupas com mais de 800 quilos, seria entregue em São Paulo. Segundo o sargento Edman Silzaky, da Polícia Rodoviária, os dois carregamentos foram feitos pela mesma quadrilha que teria comprado a droga em Ciudad del Este, no Paraguai, para levar à capital paulista. A droga seria retirada pelos traficantes por meio de decantação com outros produtos químicos.

+ Mulher é presa no Aeroporto de Guarulhos com cocaína no sutiã

Esse é o segundo caso do tipo descoberto nos últimos dias. Na sexta (14), a Polícia Rodoviária Estadual apreendeu 502 kg de roupas impregnadas com cocaína, na rodovia Raposo Tavares.

(Com Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO