Mistérios da Cidade

Poetas utilizam muros para distribuir literatura pela cidade

Lambe-lambes e cartazes espalham obras de escritores amadores em bairros como Perdizes, Liberdade e Jardins

Por: Maurício Xavier

Lambe-lambe
Lambe-lambe do Comun A2 (Foto: Divulgação)

Muros e postes tornaram-se a plataforma para dezenas de poetas amadores, como a professora Ryane Leão, do projeto Onde Jazz Meu Coração, que colou cerca de 4 000 cartazes com 800 poemas em quatro anos.

+ Jovens ganham fãs na internet com vídeos sobre literatura

Namorados, a produtora de eventos Carolina Sab e o psicólogo Thiago Domingues, do Comum A2, espalharam mais de 2 000 lambe-lambes na Vila Mariana, nos Jardins e no centro desde janeiro (foto).

Já a atriz Anna Zêpa usou o grafite em estêncil para distribuir sessenta poesias em Perdizes e na Liberdade. Neste mês, ela lançou o livro A Convivência dos Nossos Rastros (30 reais), que apresenta fotos de seu trabalho.

+ Saiba quais são os principais shows da semana

No Instagram, há perfis dedicados a reunir os versos urbanos, como Olhe os Muros, O que as Ruas Falam e Tá Escrito em Sampa.

Fonte: VEJA SÃO PAULO