CRIMINALIDADE

PM reformado é preso após tentar levar dinheiro de assalto em Santos

Malote com 96 000 reais havia sido abandonado em pickup utilizada por criminosos que invadiram empresa de transporte de valores

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Assalto santos
Assalto a empresa de transporte de valores deixou mortos em Santos (Foto: Richard Nascimento/Futura Press/Folhapress)

Um policial militar reformado foi preso em flagrante nesta segunda (4) em Santos por tentar furtar um malote abandonado pela quadrilha que assaltou a empresa de transporte de valores Prosegur. O assalto terminou com a morte de dois policiais rodoviários e de um morador de rua.

A ação foi registrada pelas câmeras de segurança da prefeitura. O malote estava dentro de uma pickup Nissan preta, que foi largada pelos criminosos na Avenida Martins Fontes, região central da cidade, próximo à Rodovia Anchieta. A polícia informou que havia aproximadamente 9 milhões de reais dentro do veículo. O dinheiro foi devolvido à Prosegur.

+ Taxista sem máquina de cartão poderá ser multado a partir de hoje

O policial militar reformado José Carlos Pereira Baessa, de 55 anos, passou pelo local no momento em que a pickup estava abandonada e, segundo a polícia, pegou o malote, mas foi imediatamente rendido por PMs que preservavam o local, exatamente contra possíveis furtos do dinheiro, aproveitando a confusão instalada naquele momento.

+ Confira as últimas notícias da cidade

Dentro do malote, ainda lacrado, havia 96 000 reais. O PM reformado, que não tinha antecedentes criminais, foi conduzido à Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos e autuado em flagrante por tentativa de furto. Ele pagou fiança em 1 000 reais e foi liberado.

A polícia continua procurando pelos 18 criminosos que participaram do assalto. Nesta segunda, três suspeitos foram detidos em Mogi das Cruzes, no ABC Paulista, mas liberados após esclarecimentos. As ações são comandadas pela Deinter 6 (Delegacia Geral de Polícia) e pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos. Não há informações sobre prisões.

Fonte: VEJA SÃO PAULO