segurança

PM é preso sob suspeita de tortura, e delegado deixa DP escoltado

Sargento Charles Otaga foi detido em flagrante após assaltante mostrar ferimentos e dizer que havia sido machucado por agente da segurança pública 

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Preso Torturado
Policiais militares se solidarizam com colega preso (Foto: Reprodução/TV Globo)

O sargento da Polícia Militar Charles Otaga, de 41 anos, foi preso em flagrante sob suspeita de torturar um assaltante na Zona Leste da capital paulista. Em protesto à prisão do colega, policiais militares de diversos batalhões foram com trajes civis e armas na cintura até o 103° Distrito Policial (Itaquera) na madrugada desta quarta (21). 

+ Capital pode instalar tendas e usar Exército contra dengue

Cerca de 60 PMs foram até o local e o delegado Zanon saiu do DP escoltado. Policiais civis afirmam que o delegado chegou a ser ameaçado pelos agentes.

O conflito começou quando o suspeito Afonso de Carvalho Oliveira Trudes, de 23 anos, foi apresentado na delegacia mais de uma hora depois de ter sido preso em flagrante por roubar 60 e o celular de uma vítima. Ele confessou o crime e também acabou preso.

O delegado Raphael Zanon, do 103º DP, desconfiou que o suspeito havia sido torturado durante o depoimento aos policiais civis. Ele teria se posicionado de lado na cadeira, já que não estaria conseguindo encostar por causa dos ferimentos. Mesmo com dores, ele não afirmou previamente ter sido torturado. 

+ Haddad põe verba de mananciais em ônibus

Trudes só teria contado ao delegado sobre a tortura após ter recebido a garantia de que não seria transportado novamente na viatura da PM. Ele disse ter recebido choques na região do pênis e da bolsa escrotal, além de ter sido agredido nos braços e nas costas e ameaçado com uma faca no peito. O sargento Otaga foi reconhecido pelo suspeito como o agente de tortura.

Preso torturado
Preso afirma ter sido torturado por policial (Foto: Reprodução/TV Globo)

O laudo da Polícia técnico-científica aponta que o suspeito apresenta lesões provocadas por objeto contundente, mas não confirma que ele foi torturado com choque. Ele apresentou esquimose discreta no pênis, mas nenhuma lesão na bolsa escrotal foi assinalada no exame. As feridas foram fotografadas.

A viatura que trouxe o suspeito até a delegacia foi revistada por um tenente da PM, a pedido do delegado. Nenhuma arma de choque, no entanto, foi encontrada.

Trudes foi pego momentos depois de realizar um assalto, usando bicicleta e uma arma de brinquedo. Após prendê-lo, os PMs teriam ido até a casa onde mora para tentar encontrar uma arma de verdade e ameaçado seus familiares. Depois, também teriam se deslocado para a residência de um suposto comparsa do assaltante.

Os policiais militares negam a prática da tortura e acusam o delegado de ter autuado Otaga com base apenas no relato do suspeito. Otaga foi levado para o presídio Romão Gomes. 

Em entrevista a telejornais, o advogado o policial, Fernando Henrique Pittner, afirmou que o assaltante já havia dito que os ferimentos foram por outro motivo. "No começo, ele disse que a bicicleta [usada no roubo], que estava no compartimento onde o preso é levado na viatura, havia provocado os machucados", disse Pittner. "Depois, no depoimento, falou que havia sido torturado." 

A Secretaria da Segurança Pública informou que o caso está sendo apurado. Ainda de acordo com a pasta, a Polícia Civil e a Polícia Militar abriram inquérito para apurar a conduta dos policiais envolvidos. 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO