Cidade

PM vai prender quem depredar patrimônio durante ato em SP

Manifestação contra o aumento da tarifa do transporte público está marcada para 17h, no centro

Por: Estadão Conteúdo

Alexandre de Moraes
O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes (Foto: Joel Silva/Folhapress)

O secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, disse nesta sexta-feira (8) que a Polícia Militar vai "agir fortemente" para prender manifestantes que eventualmente depredarem patrimônio público e privado no ato do Movimento Passe Livre (MPL) contra o aumento da tarifa do transporte público, marcado para 17h.

+ MPL anuncia primeira manifestação do ano contra o aumento da tarifa

Segundo Moraes, a PM "sempre tem calma e sempre tem cautela" nos protestos e possui "a maior expertise em acompanhar grandes manifestações no Brasil". "Estamos atentos e vamos agir fortemente com prisões em relação a eventuais black blocs. Manifestação não se confunde com vandalismo. Quem praticar vandalismo é criminoso e será preso. Mas tenho absoluta certeza de que as manifestações vão transcorrer normalmente", afirmou.

+ Movimento Passe Livre protestou na manhã desta sexta (8) na Zona Oeste

As manifestações acontecem na véspera do reajuste, que começa a valer neste sábado (9) e amplia a tarifa de ônibus, metrô e trem de 3,50 reais para 3,80 reais. O MPL convocou atos em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, que ocorrerão simultaneamente nesta sexta-feira. Na capital paulista, o grupo vai sair do Teatro Municipal. O evento foi convocado pelas redes sociais e até as 9h30 desta sexta-feira tinha 15 000 pessoas confirmadas e 9 600 interessadas. O trajeto não foi divulgado pelo grupo.

+ Polícia recupera bancas de jornal roubadas

+ Motorista atinge traseira de carro da PM na Zona Sul

O secretário afirmou que não houve reunião do MPL com a polícia para definir o trajeto. "É outro grande problema das manifestações do MPL, que se recusa a fazer uma reunião, uma audiência prévia, simplesmente para verificar o trajeto", disse. A orientação da polícia, conforme Moraes, é negociar o percurso com as lideranças do movimento durante a concentração no início do ato.

Em 30 de dezembro, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciaram o reajuste da tarifa no ônibus, trem e metrô de São Paulo. O aumento será de 8,6%, abaixo da inflação - a previsão do Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) é de 10,72%. Com o aumento, as tarifas de integração devem subir de 5,45 reais para 5,92 reais.

+ Confira as últimas notícias 

Fonte: VEJA SÃO PAULO