Turismo

Piscinas cinco-estrelas viram atração em resorts e hotéis AAA

Visual deslumbrante, bordas infinitas e até concierges treinados para harmonizar vinhos e pratos são alguns atrativos

Por: Mário Viana - Atualizado em

Piscina Playa Vik - 2213a
Playa Vik, inaugurado em dezembro, em Punta del Este: mergulho no granito negro e sobre a praia (Foto: Divulgação)

No início de março, a agente de viagens Lycia Reys, de São Paulo, expert em roteiros cobiçados, atendeu um casal que queria ir à Ilha de Santorini e se hospedar no Katikies por um único motivo: a piscina, construída quase 100 metros acima do Mar Egeu. Com apenas 21 suítes e diárias a partir de 380 euros (cerca de 880 reais), o hotel-butique abriga três piscinas. A maior tem 12 metros de comprimento, profundidade máxima de 1,80 metro e borda infinita: nela, o hóspede sente-se flutuando em meio a outras ilhas.

Piscina Bulgari Resort - 2213a
Vista da área privilegiada do Bulgari Resort, em Bali: piscina a 150 metros acima do Oceano Índico (Foto: Divulgação)

Não é exagero dizer que há estadas que valem pela piscina — embora elas sejam, em geral, em hotéis não menos deslumbrantes. Pela sua localização à beira do Lago di Como, na Lombardia, o italiano Villa d’Este, num prédio do século XVI, arranca suspiros. A surpresa aumenta diante da piscina, cercada por montanhas alpinas. São 152 apartamentos, com diárias a partir de 490 euros (1.130 reais), em meio a um jardim de 100.000 metros quadrados.

Montanhas e neve dão um toque especial também ao hotel Llao Llao, na Patagônia argentina, a 1.600 quilômetros de Buenos Aires. Aquecida e aconchegante, a piscina do cinco-estrelas de Bariloche ocupa 420 metros quadrados de área, à beira do Lago Nahuel Huapi. Para se hospedar num de seus 200 apartamentos, pagam-se diárias a partir de 265 dólares (450 reais). A ideia de uma piscina com vista para o mar, entretanto, continua hit. Foi por isso que os arquitetos do Bulgari Resort de Bali capricharam na localização da sua, 150 metros acima do Oceano Índico. Os pacotes vendidos no Brasil incluem cinco noites de hospedagem e traslado em Mercedes-ML 350 a 2.670 dólares por pessoa (aproximadamente 4.500 reais).

Piscina Las Ventanas al Paraíso - 2213a
Las Ventanas al Paraíso, no México: spray da água francesa evian para hidratar a pele é mimo básico à borda da piscina (Foto: Divulgação)

Aberto em dezembro, o Playa Vik José Ignacio, no Uruguai, não fez por menos para se tornar um dos pontos preferidos dos bacanas que frequentam Punta del Este. A piscina é um espanto. Construída com granito negro, avança 23 metros sobre a praia, 10 metros acima da areia. De dia, é muito bonita. À noite, arrebatadora: o fundo fica iluminado por pequenos leds que, quando acesos, reproduzem o céu estrelado do Hemisfério Sul (a partir de 750 dólares — cerca de 1.280 reais).

Não é preciso tirar o passaporte da gaveta para curtir belíssimas piscinas. O baiano Txai Resort, em Itacaré, oferece cinco bons exemplares. Em comum, todos ficam vários metros acima da praia. Acrescente um serviço atencioso e o clima de eterno verão do litoral nordestino, fatores que compensam muito a hospedagem hospedagem de 880 reais o dia para duas pessoas, para ter a fórmula de férias perfeitas.

Piscina Txai Resort - 2213a
O baiano Txai Resort, em Itacaré: integração com a paisagem (Foto: Divulgação)

As piscinas mais sedutoras do mundo vão além da oferta de toalha felpuda e do copo de água gelada sempre cheio. No Grand Hyatt de Dubai, o visitante recebe rodelas de pepino gelado para colocar sobre os olhos. Sprays da água francesa Evian, para hidratar a pele, são o mimo oferecido na piscina do Las Ventanas al Paraíso (655 dólares, ou 1.114 reais), em Los Cabos, no México. Com diárias começando em 375 dólares (640 reais), o Four Seasons de Vail, nos Estados Unidos, entrega iPods e iPads ao hóspede para ele se distrair. No inverno do Colorado, um funcionário traz roupões aquecidos e serve chocolate quente. “O hotel mantém ainda um concierge na piscina encarregado de harmonizar pratos e vinhos para combinar com a tarde passada à beira da água”, conta Tomas Perez, CEO da Teresa Perez Tours. Nada mau depois de um belo tchibum!

Fonte: VEJA SÃO PAULO