Cidade

"A maior motivação dos pichadores é a raiva", diz jornal britânico

Publicação relembra momentos históricos nos quais a pichação foi presente na cidade

Por: Veja São Paulo

Masp
O Museu de Arte de São Paulo (Masp) já foi "alvo" dos pichadores da cidade (Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Uma reportagem do jornal britânico The Guardian nesta quarta-feira (6) resume a história da pichação em São Paulo. As diferenças entre grafite e pichação são baseadas em três motivos: o acabamento, a presença ou ausência de cores, e o uso exclusivo de letras (no caso dos pichadores). "Mas não é por ser monocromático e menos estilizado que o picho não tem importância histórica e cultural", defende o autor Marcio Siwi.

+ Edifício mais alto da capital abriga bar temporário até fevereiro

A publicação passa ainda por momentos nos quais a pichação foi representativa no cenário político, como as frases contra a ditadura militar. "Mas política não era tudo na cabeça dos jovens em São Paulo", diz uma passagem da reportagem.

O jornal define alguns motivos que incentivariam os pichadores, como a busca por reconhecimento e a raiva pela cidade. "Esta raiva é muito mais do que uma raiva adolescente", cravaram. "Ela está enraizada em um sentimento de injustiça social".

Fonte: VEJA SÃO PAULO