Política

Avaliação do governo Dilma é a pior desde a redemocratização

Percentual de entrevistados que apontam a gestão como ruim ou péssima subiu de 64% para 68%

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

dilma
Dilma Rousseff: popularidade em queda (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A avaliação negativa do governo da presidente Dilma Rousseff, de 68% dos entrevistados, divulgada nesta quarta-feira (1º), é a pior da série histórica do levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Ibope desde março de 1986.

O percentual daqueles que avaliam o governo como ruim ou péssimo superou a marca negativa do presidente José Sarney, de 64%, em julho de 1989.

+ Câmara rejeita redução da maioridade penal

De acordo com o levantamento, caiu de 12% para 9% os que avaliam o governo petista como ótimo ou bom. Isso iguala outra marca de Sarney, registrada em novembro de 1989. Também caiu de 23% para 21% os que consideram o governo regular.

A desaprovação da maneira de governar da presidente Dilma subiu de 78% para 83%. E a aprovação da maneira de governar caiu de 19% para 15%.

+ Deputado é derrubado durante protesto na Câmara

Já a confiança na presidente Dilma mostra trajetória de queda: 20% dos entrevistados disseram confiar na presidente, ante 24% no levantamento anterior. Esse é o pior índice desde o início do governo, em 2011. Subiu de 74% para 78% os que disseram não confiar na petista.

Perspectiva

Tendo completado apenas seis meses de segundo mandato, a perspectiva negativa da população para o restante do governo da presidente Dilma Rousseff subiu de 55% em março para 61% em junho.

+ Vereador pede a cassação do prefeito Fernando Haddad

Por outro lado, a perspectiva positiva para o restante do mandato da petista oscilou no período de 14% para 11%. Aqueles que consideram regular a perspectiva do governo até o final de 2018 oscilou em três meses de 25% para 23%.

Comparação entre mandatos 

Subiu de 76% para 82% o total de entrevistados que consideram o segundo mandato da presidente Dilma Rousseff pior do que o primeiro. Por outro lado, aqueles que avaliam como melhor oscilaram de 4% para 3%, portanto, dentro da margem de erro entre o levantamento de março e o realizado em junho.

+ Sob pressão de taxistas, avança na Câmara projeto que proíbe o Uber

O porcentual daqueles que consideram igual os dois mandatos de Dilma caiu de 18% para 14% no período.

O levantamento foi realizado entre 18 e 21 do mês passado, antes da divulgação do conteúdo da delação premiada de Ricardo Pessoa, dono da empreiteira UTC. Foram ouvidas 2 002 pessoas em 141 municípios. A margem de erro máxima é de dois pontos porcentuais e o grau de confiança é de 95%.

Fonte: VEJA SÃO PAULO