Especial

Pesquisa: nem sempre ele tem razão

De acordo com os chefs de São Paulo, edinheirados estão entre os melhores tipos de clientes

Por: Arnaldo Lorençato - Atualizado em

clientes capa 2213
'O melhor cliente é aquele que você não conhece, que paga sem reclamar e volta sempre' (Foto: Ilustração)

Quer tirar um chef do sério? Experimente pedir para trocar o ingrediente de um prato. Quando escuta algo do tipo, o cozinheiro pode até dar um sorriso amarelo e se esmerar numa recusa educada. No fundo, porém, como revela a pesquisa, o pedido é tão ofensivo quanto sugerir a um pintor que mude as cores de uma tela.

+ Veja pesquisa completa

+ Pesquisa: melhores e piores

+ Dê sua opinião sobre a pesquisa

Os chefs nunca vão confessar em público também quanto abominam algumas atitudes à mesa, como a do sujeito que insiste em cortar o espaguete com a faca. E o que fazer para agradar a esses profissionais, tão sensíveis e vaidosos? Pergunte os detalhes de uma receita. Soa como música aos ouvidos deles.

A PIOR COISA QUE UM CLIENTE PODE FAZER

1º — Maltratar o chef ou alguém de sua equipe

2º — Pedir alterações num prato

3º — Dar palpites no menu

QUAIS SÃO OS MELHORES CLIENTES

1º — Amantes da gastronomia

2º — Corporativos

3º — Endinheirados

clientes capa 2213
(Foto: Ilustração)

AS PERGUNTAS PREFERIDAS OU O QUE GOSTA DE OUVIR DO CLIENTE

1º — Detalhes sobre a preparação de um prato

2º — Elogio ao trabalho

3º — Pedir uma sugestão do cardápio

+ Pesquisa: lista de compras

+ Pesquisa: longe dos olhos do público

OS DEZ PIORES PECADOS DE UM CLIENTE

1 — Cortar o espaguete com a faca

2 — Pedir para chamar o chef na mesa e fingir que o conhece diante dos amigos

3 — Devolver o prato sem motivo

4 — Pedir bife sola torrado

5 — Perguntar se o peixe está fresco

6 — Montar uma receita nova con itens que não fazem parte do cardápio

7 — Dividir o prato e no fim ainda dizer que estava ruim

8 — Dar carteirada para passar na frente de outros clientes

9 — Fazer comparações com a comida de outros restaurantes diante do chef

10 — Não pagar os 10% dos garçons

Fonte: VEJA SÃO PAULO