Televisão

Pegadinha com zumbis de Silvio Santos provoca saia justa em governo

Secretário cearense manda investigar uso do metrô em brincadeira no programa do apresentador

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

pegadinha
"Vítima" disse em entrevista ter recebido 70 reais para participar de teste do metrô (Foto: Reprodução/ SBT)

A pegadinha do ataque zumbi feita pelo apresentador Silvio Santos em seu programa causou uma saia justa no governo cearense. Isso porque a brincadeira foi gravada dentro do metrô de Fortaleza, que é submetido ao governo estadual. O atual secretário de Cidades, Ivo Gomes, disse em suas redes sociais que "repudia com veemência" a armação.

+ Silvio Santos faz pegadinha com zumbis no metrô e bomba na internet

"Acabei de determinar a identificação dos responsáveis por fazerem nossos usuários, a quem peço desculpas, passarem pelo constrangimento que passaram", escreveu o secretário. O problema é que a pegadinha foi gravada em dezembro do ano passado, quando o irmão de Ivo, o ex-ministro da Educação Cid Gomes era governador.

No quadro, passageiros que entram no trem percebem que o sistema está apresentando problemas técnicos. Em seguida, eles ficam trancados no vagão. As luzes se apagam e, quando a energia volta, dezenas de figurantes vestidos de mortos-vivos aparecem nas janelas, tentando uma invasão. Uma mulher chegou a desmaiar e a pegadinha causou comentários até em jornais internacionais.

+ Silvio Santos: "Eu compro a Rede Globo"

Em entrevista ao UOL, uma das "vítimas" da brincadeira disse que foi convidada para participar de um teste do metrô, que foi inaugurado recentemente, para avaliar o serviço. Para isso, ela ganharia 70 reais. "Como estava precisando comprar um liquidificador, esse dinheiro me serviu. E também queria conhecer o metrô, era uma novidade, nunca tinha andado. Tão chique, tão bonito, a cara da riqueza", disse Aurileide Silvestre Gomes.

+ "Não deveria ter saído da Record", diz Luiz Bacci

De acordo com o SBT, as gravações aconteceram em horário após o funcionamento do metrô. A emissora afirma que teve autorização para gravar tanto da companhia, quanto das vítimas, que deram autorização por escrito.

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO