Paulistano Nota Dez

Empresário auxilia jovens da periferia por meio do funk

Projeto ajuda jovens a se profissionalizar na música com letras engajadas

Por: Felipe Neves

Paulistano_Galatico
Marcelo Galático: desde 2011 à frente da Liga do Funk (Foto: Mario Rodrigues)

Os participantes do projeto Liga do Funk batem palmas a todo momento. Aplaudem para embalar versos cantados a capela e demonstrar aprovação aos discursos entusiasmados dos amigos a respeito de temas da vida na periferia. Idealizada em 2011 pelo empresário Marcelo Galático, de 38 anos, a iniciativa se mostra uma espécie de escola do funk. Ali, as letras sexualizadas dão lugar a canções engajadas. Redução da maioridade penal, drogas, crime e exposição do corpo feminino estão na boca dos integrantes, fãs do ritmo criado no Rio de Janeiro.

Às terças-feiras, aproximadamente 200 jovens se reúnem em um espaço na Vila Buarque, cedido por uma ONG, a fim de participar de rodas de debate e aulas de canto, postura de palco, produção musical e dança. A ideia é orientar os MCs (como são chamados os vocalistas do estilo) iniciantes, apresentando os desafios da trajetória de artista. Entre os aspirantes está Jhonefer Vieira, de 17 anos. Ele pegou o microfone para cantar no Voz da Liga, concurso que tem por objetivo avaliar a evolução dos estudantes. “Quero ser reconhecido, mas a estrada é longa”, diz. “Estou aprendendo bastante sobre música e sociedade.”

+ Casal de oftalmologistas oferece tratamento gratuito em fundação

Agenciador de shows de grandes nomes do gênero, a exemplo de Valesca Popozuda, Galático nasceu em São Miguel Paulista, na Zona Leste. Começou a trabalhar aos 12 anos na função de empacotador em um supermercado. Aos 16, por pouco não participou de um assalto que resultou na morte dos envolvidos. “Contei à minha mãe que haviam me chamado e ela me convenceu a não ir”, lembra. “Aprendi uma lição: aquele não era o caminho.” Após o sucesso na carreira artística, o rapaz não deixou de pensar em ajudar os jovens de baixa renda que, como ele, almejam um bom futuro. “Sempre fui sonhador e acabei conquistando muita coisa”, afirma. “Precisava retribuir de alguma forma. Mesmo que eles não saiam daqui cantores, com certeza serão cidadãos melhores.”

+ Jovem cria perfis no Tinder para arrecadar agasalhos

Fonte: VEJA SÃO PAULO