PASSEIOS

Onde andar de bicicleta em São Paulo

Roteiros com lugares para curtir e explorar a cidade pedalando

Por: Camila Taira - Atualizado em

Jum Nakao - bicicletas
Jum Nakao: “Sempre digo que para mim bicicleta não é esporte, mas transporte” (Foto: Chico Maurente)

Quando o estilista Jum Nakao marca de encontrar alguém em um ponto qualquer da cidade, precisa parar uns minutos e fazer as contas. É que ele calcula o tempo que levará para sair de casa e chegar ao destino a bordo de sua bike. Isso mesmo, bike. “Sempre digo que para mim bicicleta não é esporte, mas transporte”, conta o paulistano de 44 anos, que desde 2004 trocou os carros pelos pedais. “Chegar suado, descabelado não é problema”, brinca. “Vou de alma lavada, certo de estar fazendo a minha parte.”

Você não precisa ser como o Jum Nakao, que hoje só usa o carro quando realmente necessário. Suas primeiras pedaladas por São Paulo podem acontecer em parques. Só os parques municipais oferecem 19 quilômetros de ciclovias. Se o cansaço bater, é possível voltar de metrô ou trem, pois o acesso de bicicleta é liberado – aos sábados, depois das 14h, domingo, o dia todo, e nos dias da semana a partir das 20h30.

Centro velho de São Paulo

Que tal acordar cedo no domingo e convidar toda a família para pedalar pelas ruas do centro velho de São Paulo? A dica é de Paulo de Tarso Martins, presidente e um dos fundadores do Sampa Bikers, grupo de ciclistas criado em 1993. Para ele, o lado mais bacana desse passeio é o pouco fluxo de veículos. Já os pontos negativos são a sujeira e o abandono da cidade.

Parque do Ibirapuera

O parque oferece 5,5 quilômetros de chão destinados a quem anda de bicicleta. Quem não tem uma magrela pode alugar. Há várias opções: bicicletas para crianças e adultos, além de triciclos. As bikes podem ser alugadas no Portão 4 por 5 reais a hora, de segunda a domingo, das 7h às 20h.

Parque das Bicicletas

Parque das Bicicletas
Parque das Bicicletas: visitante pode andar pelos caminhos arborizados com palmeiras, ipês e pitangueiras (Foto: Arquivo SEME/Secretaria Municipal de Esportes)

Furou o pneu da bike? Não tem problema. Ao longo dos 1600 metros de ciclovia, o visitante tem à disposição bombas de ar. Pedalou muito e está suado? Há umidificadores para se refrescar. Às crianças, é destinada uma área para educação no trânsito. Na portaria principal há aluguel de bikes por preços que variam entre 6 e 25 reais.Parque Villa-Lobos 

Parque Villa Lobos - bicicletas
Parque Villa Lobos: aluguel de bicicletas varia entre 6 e 25 reais (Foto: Secretaria Estadual do Meio Ambiente)

Localizado no Alto dos Pinheiros, na Zona Oeste, este parque conta com uma área verde de 732 mil metros quadrados. Para os ciclistas, há 3,5 quilômetros de caminhos para curtir no comando do guidão. Durante os fins de semana, Luís Pina, administrador da área de bikes, disponibiliza 800 unidades, entre mountain bikes e triciclos que comportam duas ou três pessoas. A hora do aluguel, como no Parque das Bicicletas, varia entre 6 e 25 reais. Cidade Universitária

As ruas arborizadas e largas e o asfalto bem-conservado dos quarteirões da USP são grandes atrativos para quem pedala por lá. Com exceção dos domingos, em que é proibido circular de bike no local, os demais dias estão com os portões abertos para os ciclistas. Entretanto, não deixe de prestar atenção no trânsito. “Lá, muita gente corre no meio da rua principalmente na contramão”, diz Paulo Martins do Sampa Bikers. Ciclofaixa 

Arquivo SEME/Secretaria Municipal de Esportes
Ciclofaixa - bicicletas
Ciclofaixa: percurso liga os parques do Povo, Ibirapuera e das Bicicletas (Foto: Arquivo SEME/Secretaria Municipal de Esportes)
Ciclofaixa: percurso liga os parques do Povo, Ibirapuera e das Bicicletas

Tanto para os ciclistas de fim de semana quanto para os experts no guidão, a Ciclofaixa é garantia de diversão. O percurso de aproximadamente 5 quilômetros liga os parques do Povo, Ibirapuera e das Bicicletas, e utiliza uma faixa inteira de carros só para bikes. O trajeto passa por avenidas arborizadas como a Hélio Pellegrino e a República do Líbano, além da Brigadeiro Faria Lima e da Juscelino Kubitschek. O percurso é praticamente todo plano, uma boa opção para as crianças. A ciclofaixa funciona aos domingos, das 7h às 14h.

Ciclovia Rio Pinheiros

Aqui é preciso ficar atento às capivaras que habitam as margens poluídas do Rio Pinheiros. “Cuidado com os animais na pista”, lê-se numa placa amarela com um desenho de um desses roedores. O aviso pode ser visto ao longo dos 14 quilômetros da faixa laranja paralela ao trecho das estações de trem que vão da Vila Olímpia a Jurubatuba. “É um dos locais mais seguros para se pedalar pela cidade, longe dos carros e dos assaltos”, considera Martins. Durante o horário de verão, a ciclovia funciona das 5h30 às 19h15 (no resto do ano, das 6h às 18h15). A média em dias úteis é de 300 pessoas pedalando pela ciclovia. Já no domingo, esse número salta para 2500. Dica: aos domingos é possível pegar a ciclofaixa até o Parque do Povo.

Parque do Carmo

Enquanto a ciclovia do Rio Pinheiros tem 14 quilômetros, o Parque do Carmo tem sozinho 8200 metros de extensão! Localizado em Itaquera, a área tem tudo para que o ciclista passe o dia todo por lá: churrasqueiras, campos de futebol, lagos, quiosques, playground e o Museu do Meio Ambiente.

Fonte: VEJA SÃO PAULO