Cidade

Paraquedistas morrem em salto duplo no interior de São Paulo

Acidente ocorreu em Vera Cruz e segundo testemunhas o equipamento reserva abriu, porém não funcionou

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

paraquedista Valderson Petelinkar
Instrutor Petelinkar: acidente em salto de paraquedas (Foto: Reprodução/Facebook)

Dois paraquedistas morreram no final da tarde de domingo (6), depois que o equipamento não abriu durante um salto duplo, em Vera Cruz, região de Marília, interior de São Paulo. O instrutor Valderson Dario Petelinkar, de 36 anos, que comandava o salto, e o aluno Marcelo dos Santos, de 24 anos, caíram em uma chácara, perto do aeroporto da cidade.

+ Paraquedista morre durante salto no interior de São Paulo

De acordo com testemunhas, logo após o salto, a dupla rodopiou, ganhando velocidade em queda livre. O equipamento reserva foi aberto, mas só funcionou muito perto do solo e não amorteceu a queda. Os dois sofreram fraturas múltiplas e morreram na hora.

+ Vídeo registra paraquedista fazendo pouso na piscina

O instrutor, considerado experiente, saltava desde a adolescência e havia feito três saltos no mesmo dia, sem incidentes. Ele participava do grupo Cavaleiros do Vento, de paraquedismo, criado por seu pai, também paraquedista. Santos saltava pela primeira vez.

+ Avião quase atinge dupla de paraquedista

Peritos do Instituto de Criminalística da Polícia Civil fizeram levantamento no local e recolheram os equipamentos para perícia. Um inquérito vai apurar as causas do acidente. Os responsáveis pela empresa que organizava os saltos serão ouvidos. A empresa não se manifestou sobre o acidente.

Os corpos foram resgatados no início da noite e levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Bauru. O corpo de Petelinkar, que também trabalhava nos Correios de Bauru, onde morava, foi sepultado na tarde desta segunda-feira (7), no Cemitério Jardim do Ypê, nessa cidade. Ele era casado e tinha uma filha de 4 anos.

Já o corpo de Santos, que era solteiro e dono de uma pizzaria em Pederneiras, cidade vizinha, foi velado na cidade e sepultado no Cemitério Municipal.

Fonte: VEJA SÃO PAULO