arquitetura

O roteiro de obras de Oscar Niemeyer em São Paulo

As curvas do Copan e do Auditório Ibirapuera estão entre as marcas que o arquiteto mais importante do Brasil deixou em São Paulo. Confira outras obras com sua assinatura

Por: - Atualizado em

Mão
A Mão, escultura de Niemeyer no Memorial da América Latina (Foto: Divulgação)

Morto em 2012, aos 105 anos, o arquiteto Oscar Niemeyer deixou sua marca em obras emblemáticas da arquitetura da cidade. Entre elas, destacam-se o edifício Copan, projetado nos anos 1950, e o Auditório Ibirapuera, no Parque do Ibirapuera --uma de suas obras mais recentes na cidade. Confira abaixo um roteiro para relembrar seu legado.

+ Oscar Niemeyer morre aos 104 anos

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Centro

A região central possui três edifícios idealizados pelo arquiteto, sendo o  Copan, próximo à praça da República, sua obra mais famosa em São Paulo. 

Edifício Copan em construção
Edifício Copan em construção (Foto: divulgação )

Projetado em 1951, suas formas sinuosas elevam-se na paisagem da Avenida Ipiranga, quebrando os ângulos retos dos prédios ao redor. Seu formato sintetiza os objetivos de Niemeyer com a arquitetura. Para ele, "não é o ângulo reto que atrai, nem a linha reta, dura, inflexível...O que me atrai é uma curva livre e sensual" (em depoimento de 1998). A ideia resultou no principal cartão-postal da cidade.

Edifício Montreal
Edifício Montreal (Foto: divulgação )

O Edifício Montreal   foi a primeira obra de Niemeyer em São Paulo. Ali, ele usou pela primeira vez a brise horizontal --que também cobre a fachada do Copan--, cujo objetivo é proteger os apartamentos do sol. Projetado em 1950, o edifício arredondado  destaca-se  na  esquina  das  avenidas  Ipiranga  e  Cásper Líbero.

A galeria Califórnia, que liga as ruas Barão de Itapetininga e Dom José de Barros, com fachadas para as duas vias, foi projetada em 1951, época em que ganhou a fama de ser um dos locais mais charmosos do centro. O prédio tem uma sustentação em V,  característica da obra do arquiteto. A passagem pelo meio do prédio se integra com a cidade, tornando-se um espaço público. No saguão, há um painel em mosaico de Cândido Portinari.

Edifício Eiffel
Edifício Eiffel (Foto: divulgação )

Na esquina da praça da República com a rua Araújo, o edifício Eiffel,  misto de prédio comercial e residencial, tem a forma de um livro. Projetado em 1955, nele Niemeyer apresentou, para a época, uma novidade: os apartamentos duplex.

Também no centro, há ainda um outro prédio que leva a assinartura do arquiteto, o edifício Triângulo, na esquina das ruas José Bonifácio e Quintino Bocaiuva.

Zona oeste

Projetado por Niemeyer em 1987, e inaugurado em 1989, o  Memorial da América Latina, na Barra Funda, recebeu críticas por sua paisagem árida. O complexo, que abriga seis prédios, representa uma retomada dos projetos do arquirteto em São Paulo, mais de trinta anos após a inauguração do edifício Eiffel. No espaço, a escultura A Mão, com o mapa da América Latina sangrando a palma em vermelho, destaca-se em meio à  Praça Cívica. 

Memorial da América Latina, de Oscar Niemeyer
Área livre do Memorial da América Latina (Foto: Andre Deak)

Parque do Ibirapuera

O complexo arquitetônico do Parque do Ibirapuera, formado por cinco prédios, interligados por uma marquise, foi criado para comemorar os 400 anos da cidade. Ali, cinco construções têm a assinatura de Niemeyer: o  Pavilhão Cicillo Matarazzo (atual Pavilhão da Bienal de São Paulo), o Museu de Arte Contemporânea, o Museu Afro Brasil, a Oca, a Grande Marquise (onde está situado o Museu de Arte Moderna) e o Auditório Ibirapuera.

 

Auditório Ibirapuera
O Auditório Ibirapuera, projeto de Niemeyer engavetado na década de 1950 e retomado nos anos 2000 (Foto: Veja São Paulo)

Sambódromo

O Sambódromo de São Paulo foi projetado em 1990, a partir do conceito desenvolvido por Niemeyer no similar carioca. No espaço, as escolas de samba desfilam ao centro de uma passarela, cercada por arquibancadas que formam um arco. 

Sambódromo
Sambódromo: modelo é similar ao criado por Niemeyer no Rio (Foto: Divulgação)

+ A parte que falta ao Ibirapuera de Niemeyer

Fonte: VEJA SÃO PAULO