Teatro

"Os Sete Gatinhos" ganha montagem arrojada

Tragédia em cartaz no Teatro de Arena é do diretor Nelson Baskerville

Por: Dirceu Alves Jr. - Atualizado em

Os Sete Gatinhos - Teatro 2258
Willians Mezzacapa, Gabriela Fontana, Renato Borghi e Élcio Nogueira (ao fundo): tragédia com abordagem irreverente (Foto: Bob Sousa)

No ano que marca o centenário de seu nascimento, Nelson Rodrigues (1912-1980) teve o caminho cruzado por um outro Nelson, em busca de uma linguagem própria e contemporânea. Desde a estreia do documentário cênico Luis Antonio — Gabriela, em março do ano passado, o diretor Nelson Baskerville projetou um estilo de encenação peculiar e preocupado em ser acessível ao público. Essa intenção pode ser notada no recém-lançado drama 17 X Nelson – Parte 2 – Se Não É Amor Não É Eterno, também capitaneado por ele, e confirma-se na forte e autêntica releitura da tragédia Os Sete Gatinhos.

+ As melhores peças em cartaz

+ L'Illustre Molière: peça recria tempo e obra do autor

+ “R&J de Shakespeare” traz provocativa releitura de “Romeu e Julieta”

Levado ao cinema em 1980 por Neville D’Almeida, o texto de 1958 centra-se na família do funcionário público Noronha (o ator Renato Borghi) e da submissa Gorda (papel de Élcio Nogueira), na qual todos se sacrificam, sem pudor algum, em busca de um objetivo: fazer com que a caçula, Silene (interpretada por Greta Antoine), se case virgem. Quando a garota, grávida, acaba expulsa do colégio interno, o clã entra em colapso. Em uma montagem inventiva, Baskerville transformou o cenário principal no inferno, apoiado pela iluminação vermelha de Wagner Freire e pela caracterização inspirada na cantora Amy Winehouse das demais filhas de Noronha. Inseriu ainda números musicais como a impagável versão de Borghi para a canção "Meu Mundo Caiu", de Maysa. Tantas interferências poderiam diluir a dramaturgia. Mas em nenhum momento o diretor subtraiu elementos do original ou menosprezou a essência dos personagens. Seja na irreverência de Élcio Nogueira (Gorda), no peso dramático de Gabriela Fontana (Aurora, a filha mais velha) ou na malandragem impressa por Willians Mezzacapa (como Bibelô), o espírito do autor está lá, vagando entre eles.

AVALIAÇÃO ✪✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO