Teatro

'Os Penetras' é terceiro texto de Mike Leigh montado por Mauro Vedia

Enredo da peça gira em torno de Vitor, funcionário que decide invadir a casa do chefe enquanto ele está fora

Por: Dirceu Alves Jr. - Atualizado em

Os Penetras - 2182
Marcello Airoldi e Ana Andreatta: um casal muito atrapalhado (Foto: Luciana Serra)

Há três anos, um diretor estreante chamou a atenção da plateia paulistana ao revelar o talento do cineasta inglês Mike Leigh para o teatro. Com a comédia ‘A Festa de Abigaiu’ — de volta ao cartaz nesta semana —, Mauro Baptista Vedia impôs um estilo de encenação que explorava diversos registros de interpretação e seria repetido em ‘Êxtase’ e, agora, em ‘Os Penetras’, no Teatro Jaraguá. A terceira investida consecutiva de Vedia no universo de Leigh, porém, revela uma diferença em relação às montagens anteriores, bem mais amargas e beirando o trágico. Escrito em 1988, o texto traz características próximas à comédia tradicional, explorando a farsa e o vaudeville para enfocar relações familiares e de trabalho por meio de personagens marginalizados.

Durante um feriado, Vitor (papel de Marcello Airoldi) e a mulher (a atriz Ana Andreatta) invadem a casa do chefe dele, Rex (Kiko Vianello), que deveria estar viajando. Pensando tratar-se de um assalto, Rex tranca-se no armário ao ouvir passos estranhos rumo ao quarto. A chegada do filho (Pedro Guilherme) com a namorada (Paula Arruda) aumenta a confusão e o esconde-esconde. O riso sai fácil, sem exigir muito da plateia, principalmente por causa da sintonia do ótimo elenco, em irresistíveis caricaturas.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO