Mundo dos shoppings

Os melhores shoppings para levar os filhos

Com cinemas, teatros, casas de jogos eletrônicos, boliches e até parques, os shoppings investem cada vez mais em atrações infantis especiais. Tudo para garantir o sossego dos pais na hora das compras

Por: - Atualizado em

Morumbi

Avaliação: excelente (5 pontos)

Para ir às compras, os pais podem deixar os filhos aos cuidados de treze recreadores no Play Space, área de 130 metros quadrados com piscinas de bolinhas, fantasias, sessões de pintura e muito barulho (10 reais a cada trinta minutos). Os fãs de videogame tem à disposição o Hot Zone. Com 250 máquinas (simuladores e fliperamas), é, disparado, a melhor casa de jogos eletrônicos entre os shoppings visitados.

Eldorado

Avaliação: muito bom (4 pontos)

No 1º piso, o shopping costuma criar atrações temporárias para as crianças. Uma pequena pista de arvorismo é o chamariz atual (10 reais, uma volta). Boa parte da garotada em busca de diversão procura pelo Parque da Mônica (35 reais, crianças de 2 a 10 anos, e 25 reais, a partir de 11 anos), mas a pista de patinação no gelo também é concorrida (40 reais, uma hora). Crianças de 2 a 8 anos têm no Kid’s Center um espaço coordenado por seis recreadores no 2º piso (18 reais por hora). Para os pré-adolescentes, pista de boliche (39 reais, uma hora) e a casa de jogos Playland.

Iguatemi

Avaliação: bom (3 pontos)

No espaço Piks, a criança conta com autorama, velocípedes e fantasias, além de outros brinquedos. O lugar promove atividades como oficina de culinária (foto), show de mágica e narração de histórias. Você pode deixar seu filho com a babá ou sozinho. Há seis monitores e funciona de segunda a domingo. Perde pontos pelo salgado preço: 38 reais por criança a primeira hora e 20 reais as seguintes.

Anália Franco

Avaliação: razoável (2 pontos)

No térreo, a opção para os pais que desejam ir às compras (sem crianças a tiracolo) é o Kid’s Center, espaço com escorregadores, piscina de bolinhas, pula-pula e videogame (18 reais por hora). Tudo acompanhado por quinze recreadores.

Aricanduva

Avaliação: razoável (2 pontos)

Há um espaço com jogos eletrônicos e um miniparque de diversões com carrinhos de batida e montanha-russa. O lugar é pouco atraente e muito claro, o que atrapalha a visibilidade nos monitores dos fliperamas. Para os pequenos, a opção é a área coordenada por recreadores, com labirinto de colchões e piscinas de bolinhas (11 reais por uma hora).

West Plaza

Avaliação: razoável (2 pontos)

No andar do estacionamento vip, os pais podem deixar seus filhos pequenos aos cuidados de recreadores no Clube da Criança, modestíssimo espaço com brinquedos, videogames e piscina de bolinhas (16 reais por uma hora). Outra atração, a loja de jogos Playland tem alguns fliperamas e brinquedos para os pequenos, como um minicarrossel.

Pátio Higienópolis

Avaliação: ruim (1 ponto)

Na praça de alimentação fica o Magic Games, pequeno espaço com fliperamas, escorregadores e piscinas de bolinhas, inaugurado há um ano.

Ibirapuera

Avaliação: ruim (1 ponto)

Faltam opções. O único atrativo é uma pequena loja de jogos eletrônicos.

Center Norte

Avaliação: razoável (2 pontos)

Não há um espaço exclusivo para crianças menores, com monitores, para dar tranqüilidade aos pais que desejam fazer compras. A única oferta se resume a uma casa de jogos, com fliperamas, pula-pula, carrinhos de batida e um boliche com 24 pistas.

Villa-Lobos

Avaliação: ruim (1 ponto)

Quase nada. A única opção é uma micropista para velocípedes dentro de uma loja de brinquedos.

Fonte: VEJA SÃO PAULO