SAÚDE

Órgão da ONU declara emergência mundial por causa do zika

Organização Mundial da Saúde pediu ação internacional coordenada para combater o avanço da doença

Por: Veja São Paulo

Aedes_aegypti - dengue
Aedes Aegypti, mosquito transmissor do zika (Foto: Muhammad Mahdi Karim/ Wikicommons)

A OMS (Organização Mundial da Saúde) informou nesta segunda (1º) que o surto de zika deve ser tratado como emergência de saúde pública internacional. O órgão declarou ainda que a doença exige resposta urgente e única dos governos de todo o mundo. 

+ Grávidas terão teste para o vírus zika

Nesta segunda (1º), a entidade reuniu os maiores cientistas sobre o tema, entre eles o brasileiro Pedro Vasconcelos, do Instituto Evandro Chagas. A constatação é de que a microcefalia e desordens neurológicas, pela explosão de casos no Brasil, já seriam uma “emergência de saúde pública de preocupações internacionais” pelo potencial que tem de também acabar afetando outras regiões.

Até hoje, apenas as doenças H1N1, pólio e ebola receberam tal status. Isso significa que ela vai exigir uma coordenação internacional e que existe um risco de proliferação. A partir de agora, a OMS vai lançar um apelo internacional por recursos para financiar novas pesquisas e tentar determinar a relação entre o vírus e a má-formação. Mas, de forma imediata, a entidade sugere uma série de medidas para tentar conter a proliferação do mosquito.

As medidas não vão incluir a restrição de viagens ao Brasil e de outros países afetados. Mas a OMS sugere que mulheres grávidas tomem medidas extras para se proteger contra mosquitos.

Uma das preocupações da OMS era a de criar um padrão global para dar uma resposta ao problema, evitando que governos adotem medidas extremas, como a de sugerir a seus cidadãos a evitarem os Jogos Olímpicos do Rio ou qualquer cidade brasileira.

Fontes na OMS admitiram que, em poucos meses, o vírus passou de “suave” para “alerta” e o zika vírus já está em Grau 2 de emergência, numa escala de zero a três.

Tudo que você precisa saber sobre o zika e a microcefalia

Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), entre 3 milhões e 4 milhões de pessoas poderiam ser contaminadas pelo vírus em 2016 nas Américas. Mas a OMS hesita em chancelar a projeção. Ao jornal, o chefe do Departamento de Surtos da entidade, Bruce Aylward, admite que o zika vírus é “um teste de uma nação” para o Brasil e pede “maturidade” a grupos políticos e atores da sociedade brasileira para superar o desafio.

A constatação ainda é de que os casos vão se espalhar para novos países e regiões. A entidade estima que o vírus pode ser registrado em casos locais no sul da Europa a partir da primavera no Hemisfério Norte.

Demora

O vírus foi descoberto em Uganda em 1947 e os primeiros casos em humanos aconteceram na Nigéria em 1954. Em 1977, ele foi registrado no Paquistão e, 20 anos mais tarde, na Micronésia. A Polinésia Francesa foi alvo de um surto em 2011 e, agora, a OMS estima que todo o continente americano será afetado.

Apesar da decisão de hoje, no Journal of the American Medical Association, cientistas criticaram a OMS por não terem aprendido as lições do ebola. O temor dos cientistas é de que, mesmo que uma vacina esteja pronta em dois anos, sua chegada ao mercado pode levar uma década.

Num artigo assinado, Daniel Lucey e Lawrence Gostin apontam que o fracasso da OMS em agir levou a milhares de mortes pelo ebola na África. O mesmo cenário poderia ocorrer se uma ação imediata não for tomada.

"Ainda que o Brasil, Opas e o CDC (Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos) tenham agido rapidamente, a sede da OMS até agora não tem sido pró-ativa, dando espaço para potencial ramificações", concluíram.

Fonte: VEJA SÃO PAULO