Festival

Restaurantes oferecem pratos com orgânicos a preços camaradas

O festival Organic Food Fest reúne 35 endereços da capital até 3 de julho; menus custam R$ 49,00 no almoço e R$ 59,00 no jantar

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Brado - menu do Organic Food Fest
Coxa e sobrecoxa de frango com purê de abóbora: jantar no Brado (Foto: Luís Simione)

Comida orgânica tem a fama de ser cara. Mas não no Organic Food Fest, festival em cartaz até 3 de julho em vários endereços da cidade. Os 35 endereços participantes do evento, entre restaurantes, bares e casas de comidinhas, oferecem menus completos que priorizam ingredientes sem aditivos químicos sintéticos pelo preço fixo de R$ 49,00 (almoço) ou R$ 59,00 (jantar).

+ Blog do Lorençato: dez restaurantes para fãs de ovos 

Brado - menu do Organic Food Fest
Sobremesa no Brado: sopa fria de manga, coco, gengibre e manjericão (Foto: Luís Simione)

Avaliado com quatro estrelas (muito bom) por VEJA SÃO PAULO, o Bossa, no Jardim Paulista, é uma dos restaurantes que está dentro do festival. Somente no almoço, sugere o combo composto de creme de batata-doce roxa com cebola crocante e creme azedo (entrada), fricassé de frango (prato) e banana em calda com sorvete de canela (sobremesa).

+ Mandíbula não abre mais aos sábados

O novo Karú, casa de cozinha contemporânea no Jardim Paulistano, serve um mesmo menu de dia e à noite. Vem com polvo ao creme de lichia, peixe do dia grelhado ao molho de erva-doce com maçã verde e cenoura confitada e cocada cremosa com creme de abóbora, merengue de canela e raspadinha de graviola.

Karú
Karú: um dos restaurantes mais bonitos da cidade (Foto: Ricardo D'Angelo)

Outro participante, o variado Brado, em Pinheiros, prepara como prato do almoço o cozido de legumes e banana com curry e, no jantar, o duo de coxa e sobrecoxa de frango ao lado de purê de abóbora. Também participam o italiano Così, o bar-restaurante Quintana e o japonês SassáSushi, da unidade do Itaim, entre outras casas. A lista completa pode ser consultada no site do festival. 

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO