Cidade

Orelhões: confira a relação dos telefones públicos visitados

Reportagem de VEJA SÃO PAULO testou cem telefones públicos em todas regiões da cidade

Por: Daniel Salles - Atualizado em

Orelhões_2159
Telefone público é alvo de vandalismo (Foto: Mario Rodrigues)

Entre os dias 26 e 29 de março, VEJA SÃO PAULO testou aleatoriamente cem telefones públicos instados em ruas de todas as regiões da cidade. Resultado: 39 não estavam funcionando.

+ Orelhões: dos 100 telefones públicos testados, 39 não funcionaram

Nestes locais os orelhões estavam quebrados:

- Alameda Glete, na altura do número 738, no Centro – Linha caia a todo o momento

- Avenida Arruda Botelho, esquina com a Rua Silva Prado, em Pinheiros – Digito 1 não funcionava e aparelho recusava todos os cartões telefônicos

- Avenida Braz Leme, na altura do número 753, em Santana – Não dava linha

- Avenida Cerro Corá, na altura do número 2177, na Lapa – Visor estava apagado e a linha sumia

- Avenida Cerro Corá, na altura do número 803, na Lapa – Um dos dois equipamentos instalados no local funcionava. O bocal do outro, para cadeirantes, havia sido arrancado

- Avenida Conselheiro Rodrigues Alves, no cruzamento da Rua Áurea, na Vila Mariana – Um dos dois aparelhos do local não aceitava cartões.

- Avenida Cruzeiro do Sul, na altura do número 2770 – Dígito 7 estava quebrado

- Avenida Doutor Gastão Vidigal, na altura do número 307 – O volume do fone de um dos dois aparelhos instalados neste ponto era inaudível

- Avenida Manuel Bandeira, perto da Avenida Doutor Gastão Vidigal, na Vila Leopoldina (dois aparelhos) – Não havia sinal em nenhum dos dois equipamentos

- Avenida Marginal Tietê, na esquina com a Rua Azurita, no Pari – Fone havia sido arrancado

- Avenida Nações Unidas, ao lado do Shopping Villa Lobos, em Pinheiros — Aparelho recusava todos os cartões telefônicos

- Avenida Nações Unidas, na altura da Avenida Manuel Bandeira, na Vila Leopoldina — Visor do equipamento não funcionava

- Avenida Nações Unidas, na altura do número 4849, em Pinheiros — Teclado do aparelho estava afundado

- Avenida Padre Pereira de Andrade, na esquina com a Avenida Queirós Filho, em Pinheiros – Havia um cartão travado no aparelho

- Avenida Professor Fonseca Rodrigues, na entrada principal do Parque Villa Lobos, em Pinheiros – Não aceitava nenhum cartão

- Avenida Professor Frederico Herman Júnior, na esquina com a Avenida Pedroso de Morais, em Pinheiros – Não havia linha

- Esquina da Rua Alagoas com a Avenida Angélica, em Higienópolis – Um dos dois equipamentos dali não sustentava as chamadas.

- Praça da Sé, Centro (dois aparelhos) – Dois aparelhos da região foram testados. Um deles não aceitava cartão e o outro tinha o visor quebrado.

- Praça Doutor Afrodísio Vidigal, na Vila Mariana – Um dos dois aparelhos do local recusava todos os cartões.

- Praça Silveira Santos, Pinheiros – Recusava qualquer cartão telefônico

- Rua Aurélia, na altura do número 1475, na Lapa (dois aparelhos) - Um dos telefones não tinha fone de ouvido e o outro não aceitava cartões

- Rua Aurélia, na altura do número 1873, na Lapa – Aparelho não tinha fone de ouvido

- Rua Azevedo Macedo, na esquina com a Rua Domingos de Morais, na Vila Mariana (dois aparelhos) – Um dos três equipamentos deste ponto não tinha suporte para o telefone; o outro não reconhecia nenhum cartão.

- Rua Cândido Vale, na altura do número 331, no Tatuapé – Não aceitava nenhum cartão

- Rua Capepuxis, esquina com a Avenida Nações Unidas, em Pinheiros – Cartão telefônico não entrava

- Rua Coronel Antônio de Carvalho, na esquina com a Avenida Cruzeiro do Sul, em Santana (dois aparelhos) – Um dos aparelhos não tinha linha e o outro não aceitava cartões

- Rua Cubatão, na altura do número 1140, na Vila Mariana – Um dos dois telefones do local não aceitava cartões.

- Rua Dona Antônia de Queiros, na altura do número 430, na Consolação – Um dos dois telefones deste ponto não segurava a linha

- Rua José Maria Lisboa, na esquina com a Alameda Joaquim Eugênio de Lima, no Jardim Paulista – Um dos dois aparelhos deste cruzamento não fazia ligações.

- Rua Melo Peixoto, na esquina com a Rua Antônio Mota, no Tatuapé – Aparelho estava depredado

- Rua Paulo Andrighetti, na esquina com a Marginal Tietê, no Pari – Orelhão estava caído e sem visor

- Rua Piauí, na esquina com a rua Itambé, em Higienópolis – Não aceitava cartões e o som era abafado por um forte ruído

- Rua Sabará, na esquina com a Rua Alagoas, em Higienópolis – Não tinha linha

- Rua Tuiuti, na altura do número 1148, no Tatuapé – O visor de um dos dois telefones do local não funcionava

Nestes endereços os orelhões estavam funcionando:

- Alameda Barão de Limeira, na altura do número 20, no centro

- Alameda Franca, na esquina com a Augusta, no Jardim Paulista

- Avenida Antonio Batuira, esquina com a Rua Honorato Faustino, em Pinheiros

- Avenida Arruda Botelho, esquina com a Avenida Nações Unidas, em Pinheiros (dois aparelhos)

- Avenida Braz Leme, na altura do número 2995, em Santana (dois aparelhos)

- Avenida Braz Leme, na altura do número 3265, em Santana (dois aparelhos)

- Avenida Cerro Corá, esquina com Avenida Diógenes Ribeiro de Lima, na Lapa

- Avenida Cerro Corá, na altura do número 1002, na Lapa (dois aparelhos)

- Avenida Cerro Corá, na altura do número 673, na Lapa

- Avenida Cerro Corá, na altura do número 803, na Lapa – Embora um dos dois equipamentos instalados no local estivesse depredado, o outro funcionava

- Avenida Conselheiro Rodrigues Alves, no cruzamento da Rua Áurea, na Vila Mariana – Só um dos dois aparelhos do local funcionava

- Avenida Doutor Gastão Vidigal, na altura do número 307 – Apenas um dos dois aparelhos instalados neste ponto estavam funcionando

- Avenida Manuel Bandeira, esquina com a Avenida José César de Oliveira, na Vila Leopoldina

- Avenida Marginal Tietê, no sentido Ayrton Senna, na altura da Ponte Cruzeiro do Sul, em Santana

- Esquina da Rua Alagoas com a Avenida Angélica, em Higienópolis – Embora um dos dois equipamentos do local não sustentasse as chamadas, o outro funcionava.

- Praça Apecatu, ao lado do Parque Villa Lobos

- Praça da República, no centro

- Praça Doutor Afrodísio Vidigal, na Vila Mariana – Apenas um dos dois aparelhos do local funcionava.

- Praça Flávio Tadeu Garcia La Selva, no Tatuapé

- Praça Odilon Ventania, no Tatuapé

- Praça Santa Terezinha, no Tatuapé

- Rua Alagoas, no cruzamento com a Rua Engenheiro Edgar Egídio de Souza, em Higienópolis

- Rua Alferes Magalhães, na esquina com a Avenida Cruzeiro do Sul, em Santana

- Rua Alfredo Guedes, na esquina com a Rua Voluntários da Pátria, em Santana (dois aparelhos)

- Rua Almirante Pereira, na altura do número 408, em Perdizes

- Rua André Vidal, na altura do número 301, no Tatuapé

- Rua Aurélia, na altura do número 665, na Lapa

- Rua Azevedo Júnior, na altura do número 77, no Brás

- Rua Azevedo Macedo, na esquina com a Rua Domingos de Morais, na Vila Mariana – Apenas um dos três telefones deste ponto funciona.

- Rua Clélia, na altura do número 999, na Lapa

- Rua Cubatão, na altura do número 1140, na Vila Mariana – Apenas um dos dois telefones do local funcionava

- Rua da Consolação, na altura do número 1222

- Rua das Palmeiras, na altura do número 420, na Santa Cecília (dois aparelhos)

- Rua Dona Antônia de Queiros, na altura do número 430, na Consolação – Apenas um dos dois telefones deste ponto funcionava

- Rua Florêncio de Abreu, no centro (dois aparelhos)

- Rua Henrique Sertório, na altura no número 337, no Tatuapé (dois aparelhos)

- Rua Jacirendi, na esquina com a Marginal Tietê, no Tatuapé

- Rua Jamaica, na esquina com a Avenida Estados Unidos, no Jardim Paulista

- Rua João Miguel Jarra, na esquina com a Rua Natingui, na Vila Madalena

- Rua José Maria Lisboa, na esquina com a Alameda Joaquim Eugênio de Lima, no Jardim Paulista – Apenas um dos dois aparelhos deste cruzamento funcionava.

- Rua Manuel da Nóbrega, em frente ao Ginásio do Ibirapuera (dois aparelhos)

- Rua Maranhão, na esquina com a Avenida Angélica, em Higienópolis (dois aparelhos)

- Rua Maria Curupaiti, na altura do número 440

- Rua Maria Curupaiti, na esquina com a Avenida Braz Leme, em Santana (dois aparelhos)

- Rua Mourato Coelho, na esquina com a Rua Purpurina, na Vila Madalena

- Rua Ramon Penharrubia, em frente ao Centro Cultural São Paulo, na Vila Mariana (dois aparelhos)

- Rua Tuiuti, na altura do número 1148, no Tatuapé – Apenas de um dos dois telefones do local funcionava

Fonte: VEJA SÃO PAULO