Paulistanos Nota Dez

ONG Descobrindo o Sonho Jovem dá auxílio a estudantes

Projeto de Gustavo Torres e João Victor Araújo disponibiliza um time de dez psicólogos e educadores, que trabalham para motivar crianças de bairros pobres

Por: Júlia Gouveia

Paulistano Nota Dez - ONG Descobrindo o Sonho Jovem
"Nossa satisfação é ajudar os jovens a nunca perder a esperança", diz João Victor Araújo (à esq.) (Foto: Fernando Moraes)

Alunos exemplares de escolas públicas do Capão Redondo, na Zona Sul, e de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, os estudantes Gustavo Torres e João Victor Araújo ganharam em 2010 e 2011 duas bolsas de estudos integrais para cursar o ensino médio no tradicional Colégio Santo Américo, no Morumbi. Ali, ao se conhecerem, descobriram que tinham características em comum, além da origem humilde. A primeira era a vontade de dar uma retribuição à sociedade pelas oportunidades que receberam. A outra, a visão de que muitas crianças de bairros pobres não evoluem na vida por falta de orientação adequada. Assim, em agosto do ano passado, criaram a ONG Descobrindo o Sonho Jovem, que ajuda estudantes das redes estadual e municipal a identificar seus sonhos e lutar por eles.

+ Confira outros projetos de Paulistanos Nota Dez

Com o apoio de dez psicólogos e educadores, que trabalham de graça, a dupla — hoje com 17 anos e no 3º ano — desenvolve atividades como palestras, workshops, discussões, trabalhos em grupo, além de produzir vídeos motivacionais. Para bancarem o material usado no projeto, eles levantaram 800 reais neste ano em sites de financiamento coletivo. Cerca de 35 adolescentes, com idade entre 13 e 17 anos, já participaram dos encontros, realizados aos sábados na Fábrica da Criatividade, espaço cultural no Capão Redondo. “Muitos têm potencial imenso, mas poucos o põem em prática”, diz Torres. A recompensa dos dois é o retorno que recebem dos participantes. “Certa vez, um deles me disse que sua cabeça havia se aberto como nunca antes”, conta Araújo. “Nossa satisfação é ajudar os jovens a nunca perder a esperança”, completa.

Fonte: VEJA SÃO PAULO