Roteiro

O que fazer neste sábado (04): shows

Quatro artistas que se apresentam nos palcos da cidade hoje

Por: Redação VEJA SÃO PAULO on-line

Luan Santana em São Paulo
(Foto: Veja São Paulo)

+ O que fazer neste sábado (04)

  • Estilos variados

    5 a Seco
    1 avaliação
    “Mais fácil ver o Schwarzenegger frufru/ Materazzi namorando com a mãe do Zizou/ rubro-negro distraído gritar gol do Flu.” Versos tão “djavanescos” estão em Nem Tchum, uma das músicas de Policromo (2014), primeiro trabalho de estúdio do conjunto paulistano. A inspiração no compositor alagoano se mostra tão forte que, entre as catorze novas faixas, uma até foi intitulada Eu Amo Djavan. Nem se dê ao trabalho de tentar entender a propositadamente confusa letra. De arranjos sofisticados, o álbum conta com momentos bacanas em Vem e Vai e na funkeada Festa de Rua, que funcionam bem ao vivo. Pedro Altério, Pedro Viáfora, Tó Brandileone, Vinicius Calderoni e Leo Bianchini cantam e se revezam no baixo, teclado, percussão, escaleta e bateria. Dias 16, 23 e 24/9/2016.
    Saiba mais
  • Frejat nesta sexta (26/8//2016) Citibank Hall.
    Saiba mais
  • Com Vinicius de Moraes, a quem conheceu quando ainda estava na faculdade, João Bosco compôs Samba do Pouso e O Mergulhador. Mas foi Aldir Blanc seu grande parceiro de composição. Escreveu com ele, entre outras, Falso Brilhante, Fantasia e O Bêbado e a Equilibrista, célebre na voz de Elis Regina. Por três noites consecutivas, ele apresenta sozinho ao violão os clássicos que permearam mais de quatro décadas de carreira, na comemoração do aniversário de dez anos do Tom Jazz. Dias 2, 3 e 4/10/2015.
    Saiba mais
  • Country / Sertanejo

    Luan Santana
    1 avaliação
    Há quatro meses, Luan Santana acrescentou um elemento em seu espetáculo, que já contava com efeito de luzes de LED e fumaça. É um quadrado transparente para cerca de quarenta fãs (sorteados pela produção) assistirem ao show dali mesmo, do palco. Luan aproveita para tirar fotos, conversar e cantar coladinho. Batizada de A Caixa, a apresentação não traz muitas mudanças no repertório de dezenove músicas, com Chuva de Arroz, Amar Não É Pecado e Sinais. Dia 20/8/2016.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO