O COMEÇO DE UMA GRANDE HISTÓRIA

O mundo ao lado

Um ciclo de superações ao pedalar, sozinho, por mais de três anos, em 46 países

Por: - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Arthur Simões tem 32 anos, trabalha basicamente com fotografia, viagens e palestras. Tudo começou com a sua primeira grande aventura: uma volta ao mundo de bicicleta. Em 2006, ele passou por 46 países e rodou 40.000 quilômetros sobre duas rodas. “Na época, enquanto fazia algumas cicloviagens pelo Brasil, soube de um alemão que estava terminando sua viagem de volta ao mundo de bicicleta. Custei a acreditar naquilo – chegou a soar como algo impossível para mim. Mas ficou em minha cabeça”, lembra. Quando se formou, Simões concluiu que chegara o momento ideal para realizar a sua viagem. “Comecei a colocar o projeto no papel e, em dez meses, eu estava com o pedal na estrada.”

+ Conheça outras histórias inspiradoras

A jornada levou três anos e dois meses e rendeu o livro de fotos e histórias O Mundo ao Lado. Acima de tudo, representa um ciclo de superações na vida dele. “A primeira foi deixar tudo para trás, me desapegando de bens, pessoas, profissão e também de certezas, para partir para um caminho novo e incerto”, conta. Para ele, ultrapassar essas montanhas de dúvidas iniciais foi a chave para enfrentar todos os desafios da viagem, muito além de questões ligadas ao preparo físico, que também surpreenderam o expedicionário: “A adaptação foi rápida. No primeiro dia de viagem pedalei 65 km e após duas semanas já percorria 150 km”.

Mas os desafios não foram poucos. Simões relembra da luta contra o cansaço e o frio de -20ºC enquanto acampava em Atacama, no Chile. “Achei que iria morrer de hipotermia naquele vasto deserto. Superar o medo e usar todos os meios disponíveis para superar aquele momento me fizeram sobreviver e ainda me fortaleceram para a viagem”, recorda.

A situação mais desafiadora foi na Turquia, perto da parte final da expedição. Um caminhão de combustível entrou no acostamento e o atropelou. O ciclista foi parar no hospital e a bicicleta precisou de diversas peças novas. “Foram três semanas para voltar a pedalar em direção à conclusão da volta ao mundo.”

Desdobramentos do pedal

Simões voltou da viagem com o livro em mente e também com o desejo de dar palestras motivacionais em empresas, para compartilhar as experiências. Os projetos foram lançados e bem-sucedidos. Agora começa a nova jornada – mapear os melhores caminhos para se pedalar no Brasil.

É a empreitada que mais o motiva no momento. “Quero facilitar a vida do cicloturista brasileiro e mostrar para ciclistas do mundo todo que o Brasil é um grande destino para se viajar de bicicleta”, afirma. Os desafios para realizar essa espécie de guia, impresso e digital, são parecidos com o da volta ao mundo: conseguir patrocinadores e parcerias para que tudo seja bem executado. “É possível que em 2015 esse novo projeto se realize”, diz.

Nome: Arthur Simões

Profissão: Fotógrafo

Atitude transformadora: Deu a volta ao mundo de bicicleta e compartilha a vivência e a inspiração em diversos projetos

Fonte: VEJA SÃO PAULO