Crônica

O mercado do bairro

Por: Matthew Shirts

Crônica
(Foto: Veja São Paulo)

Desde que o conheci, em meados da década de 80, o Mercado Municipal de Pinheiros alegra meu coração e me traz, acredite se quiser, paz de espírito. Não sei o porquê. Mas desconfio de alguns dos motivos. É um lugar calmo, em geral, e sombreado, escondido por trás da agitação ensolarada e quente do Largo da Batata. Basta chegar pelo lado da Rua Teodoro Sampaio para entender meu ponto. Você enfrentará ônibus, automóveis e uma movimentação de pedestres sem fim para entrar, de repente, em um lugar tranquilo.

Os artigos são todos expostos da mesma maneira há décadas. Não há surpresas. As frutas e verduras fi cam no andar térreo, cercadas por bancas de nozes, farinhas e azeitonas, algumas com linguiças penduradas por cima da cabeça dos fregueses. Para chegar às carnes e aos peixes, é preciso subir uma rampa em caracol tão inusitada que torna divertida a caminhada. Se existissem bibliotecas de frutas e verduras, elas seriam desse jeito. A ordem de exposição dos produtos, basicamente os mesmos desde sempre, obedece a critérios antigos. Há poucas concessões ao marketing moderno. A disposição das cores e alimentos segue padrões clássicos, enfim.

+ Outros progressos

Foi com alegria cautelosa que aceitei o convite da minha amiga Cris para conhecer um restaurante novo dentro do mercado. Apesar do meu carinho pelo lugar, fazia um par de anos que não entrava lá. Explica ela que o nosso destino é uma espécie de bar latino, meio andino, meio hipster, como se diz. Serve, no balcão, ceviche, peixe cozido no limão, quase cru, que adoro. Cris é referência minha para questões de gosto e beleza. É ela quem me indica os lugares novos e badalados da nossa cidade. Não erra nunca.

Havia lido fazia pouco tempo também um texto bonito sobre o mercado no livro Ela Me Dá Capim e Eu Zurro, de Fabrício Corsaletti. Deu saudade. Está aí, aliás, uma boa dica de presente de Natal para quem gosta de crônica e de São Paulo. Conheço faz anos o Fabrício, mas nunca havia visto direito nada dele que não fosse poesia. Comecei a leitura e não consegui mais parar. Não demorou duas noites e estava no fi m (é curtinho). Senti com o escritor um laço forte. Nós dois viemos morar na cidade pela primeira vez no tempo da faculdade (com vinte anos de diferença). Ele é de uma cidade pequena no interior do estado; eu, de outra, no sul da Califórnia. Estudamos letras. Andamos muito de ônibus na Teodoro Sampaio. Acho que compartilho de algumas das suas reações emocionais diante da capital. É linda a obra.

E o restaurante latino não decepciona. A comida é uma delícia. Meu medo era que destoasse das bancas tradicionais do mercado. Mas não. Cabe bem ali do lado do boxe dos peixes. Chama-se Comedoria Gonzales. Traz também personagens novos e interessantes para o lugar, com um número muito maior de tatuagens. Dá ao nosso tradicional ponto do bairro um toque mais cosmopolita e atual.

matthew@abril.com.br

Fonte: VEJA SÃO PAULO