Crônica

O fofoqueiro

Por: Walcyr Carrasco - Atualizado em

Um casal de amigos separou-se após um longo relacionamento, sem casamento formal. Fred, outro amigo comum, me telefonou agitado:

– Ele foi para um flat! É segredo, mas ela vai exigir uma boa grana. Quando o ex souber...

– Evite fazer leva-e-traz! – aconselhei.

– Odeio fofoca! – respondeu, ofendido.

Visitou o separado, um executivo de sucesso.

– Ela quer a metade do seu patrimônio!

– Como, se eu comprei tudo com meu dinheiro? Ela parou de trabalhar por causa da pós-graduação e ainda pago a faculdade!

– Odeio dar palpite, mas ela acha que tem direito.

– Que vá aos tribunais! Luto até o Supremo!

No dia seguinte, Fred visitou a moça no antigo apartamento do casal.

– Ele não vai abrir mão de nada.

– A lei está do meu lado! Já estou procurando casas. Vi duas na Pompéia.

Fred correu falar com o outro.

– Ela está procurando uma casa imensa na Pompéia.

– Na Pompéia? Ela teve um namorado lá, antes de mim. Será que voltaram?

O amigo assumiu uma expressão discreta.

– Pode ser, já que escolheu justamente a Pompéia!

– Não sou idiota! Ia oferecer uma pensão, até ela arrumar emprego. Agora não leva nada!

Disparou a aconselhá-la:

– Nem pensão! E você desempregada, que horror!

– Boto o safado na cadeia!

– Fico tão triste, vocês se gostavam tanto! – gemeu Fred.

No cinema e nos bares, Fred comentava com os amigos:

– Não conte para ninguém, que é segredo. Mas o bicho está pegando entre aqueles dois!

Todo mundo acompanhava o próximo capítulo da separação!

Voltou a falar com ela:

– Tenho uma suspeita, mas prefiro não comentar.

– Agora fale.

– Talvez ele tenha outra. Afinal, por que se separou?

Ela empalideceu. Depois, recobrou as forças.

– Vou trocar as fechaduras do apartamento.

Em uma rodada de cerveja, ele aconselhou o executivo:

– Corra para resgatar seus ternos!

– Ela só ficou no apartamento porque sou generoso!

– Fico tão sem jeito, porque gosto dos dois. Mas acho injusto ela querer passar o resto da vida nas suas costas!

– Você só está provando que é meu amigo. Ela não sabe, mas já arrumei um advogado.

Horas depois, Fred avisou-a.

– Estou arrasado porque agora é definitivo. Ele contratou um advogado e vai iniciar o processo!

A moça chorou. Pouco depois, o advogado ligou. Quis uma conversa, para tentarem resolver tudo amigavelmente. Ela não suportou mais. Correu ao escritório do ex.

– Não quero advogado nenhum. Quer saber? Você me dá o que quiser, não vou brigar, discutir. Se você for injusto, eu me viro, sou nova, de fome não morro. Só preciso saber por que você quer se separar.

– Você é que tocou em separação quando...

– Só estava nervosa na hora.

– Pensei em falar com você, para tentarmos uma solução, mas quando o Fred falou das suas ameaças eu...

– Que ameaças? Você é que tem outra!

– Não, você é que tem outro!

Olharam-se. Em seguida vieram o beijo e a reconciliação. Logo que soube, Fred quis comemorar:

– Fico tão feliz por vocês!

– Fofoqueiro! – acusou ela.

– Eu?

– Encheu a cabeça da gente. E falou da minha vida com a cidade toda!

– Só queria ajudar!

– Suma! – rosnou o rapaz.

Estão felizes desde então.

Agora, Fred só sabe reclamar.

– São uns ingratos! Ainda por cima me chamaram de fofoqueiro! Que injustiça!

Há quem nunca aprenda!

Diz o velho ditado: "Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher". Para muita gente, fazer fofoca é o que há de melhor!

Fonte: VEJA SÃO PAULO