Terraço Paulistano

O dízimo de Neymar

Frequentada pelo jogador, a Igreja Batista Peniel recebe dele de 12.000 a 13.000 mil reais por mês

Por: João Batista Jr. [com reportagem de Carolina Giovanelli] - Atualizado em

Pastor Newton Lobato
Lobato, da Peniel: “Ele reconhece a influência de Deus” (Foto: Mario Rodrigues)

Espalhada por 73 unidades, uma delas na Zona Leste de São Paulo, a Igreja Batista Peniel é conhecida pelo seu frequentador mais célebre, o craque do Santos Neymar. O pastor Newton Lobato diz na entrevista a seguir que o brilho do santista sempre foi claro para os fiéis e que, apesar de não pagar mais o dízimo sobre o salário espetacular (fração que hoje passaria dos 100.000 reais mensais), o jogador ainda faz suas contribuições em dinheiro.

Quando conheceu Neymar?

Ele tinha 8 anos quando chegou com o treinador do time de futsal Gremetal, onde jogava na época. Gostou tanto que trouxe os pais. Por conta da agenda, hoje ele consegue vir apenas uma vez por mês. Em geral, às quintas-feiras.

Ficou chateado quando descobriu que Neymar será pai aos 19 anos?

Prego que as pessoas não façam sexo antes do casamento, mas não fecho a porta para ninguém.

O jogador paga dízimo?

Ele é generoso, começou a ser dizimista ainda criança. Contribuía com 10 ou 20 reais. Agora, a mãe dele entrega um envelope em seu nome, que varia entre 12.000 e 13.000 reais por mês. O Neymar tem reconhecido a influência de Deus sobre o seu talento.

Como se dá essa influência?

Uma vez, abri a Bíblia e veio a palavra profética de Deus para ele, então com 15 anos. Pedi para que o menino ficasse de pé para escutar a mensagem divina. Como instrumento de Deus, falei que ele seria um dos principais jogadores do mundo. A palavra se concretizou.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO