Crônica

O desgaste das palavras

Por: Walcyr Carrasco - Atualizado em

Sou um tonto. Dia destes recebi um recado na secretária eletrônica pedindo retorno urgente. Liguei. Era um corretor de imóveis querendo me vender um lançamento.

– Qual era a urgência? – perguntei, irritado.

– Bem... Estamos selecionando alguns clientes e...

Conversa mole. As pessoas usam a palavra "urgente" em mensagens de todo tipo. Ainda sou daqueles que se assustam de leve com um e-mail "urgente". Para logo descobrir que se trata de um assunto muito corriqueiro. A palavra está perdendo a força. Daqui a pouco não vai significar mais nada. A mesma coisa acontece com o verbo "revelar". Abro uma revista e vejo: fulana de tal "revela" que gosta de ir à praia. Ou: a atriz tal "revela" que vai pintar o cabelo de loiro. Isso é revelação que se preze? Resultado: quando se quer realmente revelar algo se usa "denuncia" ou "confessa". Até que também sejam desgastadas pelo uso impróprio.

E vip? A sigla surgiu como abreviação de "very important people". Os vips tinham acesso preferencial a festas e eventos de todo tipo. Obviamente, todo mundo quis ser tratado como vip. Alguns shows e camarotes carnavalescos ficam lotados por manadas de vips. Para diferenciar "vips" entre si, nos lugares mais disputados surgiram chiqueirinhos para os "supervips" ou "vips dos vips". Em resumo: "vip" não significa absolutamente coisa nenhuma – somente que a pessoa é rápida para descolar um convite com pulseirinha.

Os anúncios imobiliários são pródigos em detonar palavras. "Exclusivo" é um exemplo. Quase todos falam em "condomínio exclusivo", "espaço exclusivo" (e não havia de ser, se o proprietário está pagando?). De tão comum, "exclusivo" deixou de ser "exclusivo". Veio o "diferenciado". Ou "único". Mas como um apartamento pode ser "diferenciado" ou "único" se está em um prédio com mais cinqüenta iguais?

Elogiar também ficou difícil. Antes bastava dizer:

– Você está bonita.

A cortesia não exige sinceridade. Mesmo que a sujeita pareça ter saído de um sarcófago, sempre se dá um jeito de dizer que está bem.

– Que vestido lindo! Você ficou bonita.

Portanto, se quero realmente adoçar, digo:

– Você é muito bonita.

Algumas vezes parece pouco, e atinjo os píncaros:

– Você é o máximo.

Mas o que vem depois de "máximo"? Já andaram usando "deusa", mas acho meio cafona. E "santa", por incrível que pareça, perdeu o jeito de elogio, principalmente para quem acaba de fazer regime, botou silicone nos seios e fez preenchimento labial.

A palavra "amigo" é incrível. Implica uma relação especial. A maioria fala em "amigos" referindo-se a conhecidos distantes. Pode ter visto a pessoa duas ou três vezes e já é "amigo". O mesmo ocorre com "abraço". Terminar uma mensagem com um "abraço" era suficiente. Se envio um abraço é porque realmente tenho vontade de oferecer meu carinho. Foi tão banalizado que agora se usa "grande abraço", "forte abraço". Já é pouco, e surgiu o "beijo no coração" no fim das mensagens realmente amigáveis. A seguir, o que virá? Algum termo cirúrgico? Minha imaginação não alcança.

Minha vontade é voltar a usar os termos com a força que eles realmente têm: "abraço" é "abraço", "amigo" é "amigo". Por que deixar as palavras se desgastarem? Se o que têm de mais belo é justamente sua história e o sentimento que contêm? Enfim, tudo o que lhes dá realmente significado.

Fonte: VEJA SÃO PAULO