Cidade

Número de mortes no trânsito na capital cai 20,6% em 2015

Dados são da Companhia de Engenharia e Tráfego

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Marginal Tietê Trânsito
(Foto: Futura Press/ Folhapress)

Para quem anda de carro, ônibus, a pé, de bicicleta ou de moto, 2015 foi um ano menos violento em relação a mortes ligadas ao trânsito da cidade de São Paulo. Dados divulgados pela Companhia de Engenharia e Tráfego (CET) indicam que, na comparação com 2014, o ano passado teve 20,6% menos mortos, o que significa uma diferença de 257 óbitos. Nos doze meses de 2014, foram registrados 1 249 óbitos no trânsito, contra 992 em 2015.

+ Vice-presidente do Corinthians é preso em nova fase da Lava Jato

Embora tenha declarado nesta terça-feira (22), que está "feliz" com o resultado, o prefeito Fernando Haddad (PT) ponderou que o número ainda é elevado e a meta agora é alcançar o número máximo de 720 mortes anuais, limite estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU). O índice na capital paulista agora é de 8,26 mortes para cada 100 000 habitantes, mais perto da meta indicada pela ONU, de 6, até 2020.

"Agora estamos preocupados porque temos que ter uma nova rodada de providências. Estamos pegando cada B.O. e fazendo uma análise do perfil, horário, tipo de carro e circunstância em que o acidente ocorreu para aprimorar nosso trabalho. Porque senão podemos estacionar em um patamar ainda elevado. São Paulo tem que mirar até 2020, segundo compromisso assumido com a ONU, um número máximo de 720 mortes no trânsito. Ainda temos um longo trabalho pela frente", afirmou Haddad.

O grupo que mais apresentou redução nos casos fatais foram os ciclistas. A queda do ano passado foi de 34%, na comparação de janeiro a dezembro de 2014, diminuindo de 47 casos por ano para 31. As reduções ocorreram também entre pedestres (24,5%), motoristas e passageiros (16,9%) e motociclistas (15,9%). Os índices positivos apresentados pela gestão Haddad aparecem como um contraponto com a tendência de crescimento no número de óbitos registrados na última avaliação. Em 2014, em relação a 2013, todos os grupos haviam apresentado mais mortes, conforme informou a Folha de S.Paulo.

A prefeitura atribui a redução às ações implantadas por meio do Programa de Proteção à Vida (PPV), que desenvolveu ações como diminuição da velocidade permitida em várias avenidas, iluminação e revitalização de faixas de pedestres, além da implantação das ciclofaixas, que chegaram a 385,4 quilômetros em toda a cidade.

"No mesmo período em que o número de ciclistas aumentou 66%, o número de mortes de ciclistas caiu 34%. Toda a literatura internacional sugere que não existem ciclistas sem ciclovia. Você oferece uma infraestrutura segura, aumenta o número de usuários e, pela segurança, diminui o número de mortes, que foi exatamente o que aconteceu em São Paulo. Se continuarmos a oferecer segurança, esse número (de usuários na ciclovia) vai subir ainda mais. Podemos avançar muito mais se continuarmos a oferecer ciclovias", defendeu o prefeito.

+ Grupo Vem Pra Rua cria placar do impeachment

Segundo Haddad, além da redução da velocidade e da implantação de ciclovias, outra explicação para a queda de mortes é o aumento do número de radares na capital, que "inibe" o motorista. "O impacto na arrecadação é mínimo. Você tem 0,1% ou 0,2% de incremento no orçamento. Não é nada. Mas o impacto no comportamento é grande. As pessoas vão se disciplinando", disse.

Além das multas, o prefeito defendeu o aumento do número de blitze na cidade como forma de garantir o controle do trânsito e manter a curva decrescente de atropelamentos no trânsito. Um convênio entre a gestão Haddad e a Secretaria da Segurança Pública (SSP) prevê a instalação de mais fiscalização nas ruas da capital.

"A cidade sozinha não consegue fazer blitze. Não temos autorização para parar carro. Só podemos multar por postura. Para mandar parar um carro, temos que estar acompanhados da Polícia Militar, que tem a prerrogativa. Defendemos que haja mais blitze: lei seca, caminhões à noite, uma série de questões que precisam ser resolvidas com mais blitze" afirmou.

Para o médico Dirceu Rodrigues Júnior, diretor da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), as medidas tomadas contribuíram para a diminuição das mortes, mas se tornam insuficientes caso não aconteçam ações de conscientização. "Estamos bem distante do ideal. O estado como um todo precisa aplicar o programa educação de trânsito, mudar a cultura e a mobilidade humana. É essencial por exemplo que um motorista enxergue que, quando ele sai do seu carro, ele vira um pedestre, mais frágil", disse.

De acordo com a Abramet, um estudo desenvolvido pelo Departamento de Transporte de Londres indica que, em casos de atropelamento, se o veículo estiver numa velocidade de 64 quilômetros por hora, a chance de o pedestre morrer é de 85%. Se a velocidade for de 32 quilômetros por hora, esse índice baixa para 5%. Em números absolutos em 2015, o maior número de mortes está de fato entre os pedestres, com 419 óbitos, seguidos dos motociclistas, com um registro de 370.

A instalação de radares para controlar a velocidade, uma das medidas da gestão petista mais criticadas pela população, é enxergada por Rodrigues Júnior como uma ação positiva, mas paliativa em termos de resultados. "É importante tentar controlar, mas o mais importante é que o cidadão não se comporte só diante dos aparelhos, porque ele passa do local que multa e já na frente está rápido, colocando vidas em risco. A gente precisa da presença humana, para realmente coibir não só casos de velocidade", disse o diretor da Abramet, cobrando blitze integradas entre polícia, guarda municipal e CET nas ruas de São Paulo.

Estado com menos letalidade

O mês de fevereiro foi um mês de redução de mortes em acidentes de trânsito em todo o Estado de São Paulo, de acordo com dados divulgados na segunda-feira, 21, pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB). Em relação ao mesmo mês do ano passado, a queda foi de 8%, reduzindo de 449 óbitos para 414. Quando são levados em consideração todos os acidentes, a diminuição foi de 22%, passando de 18.776 casos para 14 678.

Do total de óbitos em fevereiro, 61% foram provocados por colisões e atropelamentos. A maior parte das vítimas estava em motocicletas (29%) ou era pedestre (26%). Na comparação de 2015 com 2014, os dados computados pelo Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito (Infosiga-SP) só levam em consideração o período entre abril e dezembro. No ano passado, foram 5 170 óbitos, ante 4.583 mortes em 2014 - uma redução de 11%.

Fonte: Estadão Conteúdo