Saúde

Número de alunos com infecção intestinal em Santo André sobe para 51

Dados foram divulgados no domingo (23) pela prefeitura do município

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

jatobá
Casos de infecção intestinal foram registrados em escola de Santo André (Foto: Reprodução)

No último domingo (23), a Prefeitura de Santo André, na Grande São Paulo, o número de alunos de uma escola particular que foram contaminados com uma infecção intestinal. De acordo com o executivo, 51 estudantes do Colégio Jatobá apresentaram os sintomas desde a semana passada. Cinco ainda estão internados em Unidades de Terapia Intensiva de hospitais de São Paulo e região.

+ Pedroso de Morais, Professor Fonseca Rodrigues e Doutor Gastão Vidigal terão redução de velocidade

Os dados são de responsabilidade da Vigilância Epidemiológica e Sanitária do município em parceria com o GVE-7 Santo André (Grupo de Vigilância Epidemiológica), vinculado à Secretaria Estadual da Saúde.

Inicialmente, o governo havia confirmado 39 estudantes doentes, dos quais três estariam internados. No entanto, o número foi corrigido devido à“divergência entre casos confirmados e suspeitos”, disse a administração municipal em nota.

+ Moradores protestam embaixo do Minhocão por morte de aposentado

Os alunos doentes tem idades entre 1 e 12 anos. Contudo, a prefeitura informou que a infecção foi registrada apenas em crianças do Colégio Jatobá. O teste de potabilidade da água não registrou nenhuma anomalia. Enquanto isso, o laboratório do Hospital e Maternidade Brasil divulgou o laudo de cultura das fezes (coprocultura) de quatro pacientes internados. Os exames deram positivos para bactéria Shiguella Sonnei – que ataca o intestino. A Secretaria de Saúde acredita que esta pode ser a causa do surto.

.A direção da escola informou que as infecções foram causadas por uma bactéria desconhecida. As aulas estão suspensas até a próxima quarta (26).

+ Bella Falconi posta foto antes e depois do parto

Enquanto isso, a Vigilância Epidemiológica e Sanitária de Santo André orienta, caso alguma criança apresente os sintomas, que os pais procurem um serviço de emergência médica.

Fonte: VEJA SÃO PAULO